Chapecó sedia I Encontro Sul-Brasileiro de Fitossanidade

  • Post category:Mídia

Cerca de 600 pessoas dos três estados do Sul do País, entre profissionais do setor agrícola e comunidade científica, se reuniram entre os dias 4 e 6 de maio em Chapecó, no Oeste Catarinense, para discutir o manejo fitossanitário das lavouras.  Eles participaram do I Encontro Sul-Brasileiro de Fitossanidade (Enfit-Sul), realizado sob o tema “Perspectivas e desafios da fitossanidade na era da agricultura digital”, na sede da Associação da CooperAlfa. O Enfit-Sul é um evento técnico científico realizado a cada dois anos, com rodízio de instituições promotoras.  Este ano contou com 79 trabalhos científicos em forma de pôster.

Evento contou com cerca de 600 participantes

“Foi possível viabilizar um diálogo crítico sobre o panorama atual, os cenários e as tendências do manejo fitossanitário dos principais cultivos agrícolas de importância econômica para a região, a fim de cooperar na construção de novas perspectivas para o setor agrícola”, afirma o pesquisador da Epagri/Cepaf, Leandro do Prado Ribeiro, presidente da comissão organizadora do evento.  Ele explica que é um desafio para a comunidade científica brasileira, especialmente daquela que atua regionalmente, discutir o caminho para a descoberta e a incorporação de soluções viabilizadoras de uma agricultura moderna e sustentável, no que diz respeito ao manejo fitossanitário.

O evento foi realizado com o intuito de contribuir para a difusão, atualização do conhecimento e fortalecimento da diversidade científica na região Sul do Brasil no campo das Ciências Agrárias/Fitossanidade, bem como promover o intercâmbio científico entre as universidades, centros de pesquisa, cooperativas, agências de extensão rural e profissionais liberais do setor agrícola.

Comissão organizadora do evento foi formada por representantes do Epagri, UFFS, Unochapecó, Unoesc Xanxerê, Cidasc e Governo de Santa Catarina

Paralelo ao encontro, aconteceu o III Workshop Estadual sobre Manejo Fitossanitário. A primeira edição desse evento ocorreu em 2014, como uma iniciativa da Epagri e outras instituições, trazendo a discussão sobre o tema mais apropriadamente para as necessidades da região sul do Brasil. A segunda edição ocorreu em 2017, quando se percebeu a necessidade de estabelecer um vínculo mais próximo entre a área acadêmica e o setor profissional da agricultura atuante na região. A presente edição do workshop veio embutida no I Enfit-Sul, mantendo o reconhecido padrão de qualidade das palestras convidadas e com o estabelecimento da mostra de trabalhos científicos, com premiação em cada subárea (Entomologia, Fitopatologia e Plantas Daninhas).

Palestrante Pierre, de centro de pesquisa na França, com o presidente do evento, pesquisador da Epagri/Cepaf, Leandro do Prado Ribeiro

O Enfit-Sul foi uma promoção da Epagri, UFFS, Unochapecó, Unoesc Xanxerê, Cidasc e Governo de Santa Catarina.  Contou om o apoio das cooperativas agrícolas CooperAlfa, CooperA1, CooperItaipu, Auriverde, Copérdia, Cotrisal; das instituições de ensino e pesquisa Unicentro Paraná, UTFPR, Embrapa, Udesc, UFSC, IF campus Concórdia, IF campus São Miguel do Oeste, IF Campus Sertão, UFSM; sas instituições governamentais Aeagro, CREA-SC, CNPq, Fapesc, Prefeitura de Chapecó e CREA jr – SC. O evento teve como patrocinadores Ouro: UPL OpenAg, FMC, Monsoy, Brevant Sementes, Pioneer, IRAC; e patrocinadores Diamante: Bayer, Corteva, Basf, Fieldview.

Temas debatidos

No campo experimental Epagri/Cepaf houve demonstração de ferramentas digitais e tecnologias inovadoras

A abertura do Enfit-Sul foi feita com a palestra “A transformação digital do agronegócio”, proferida por Abimael Cereda Junior (Georesults Ltda/SP). Outra participação de destaque foi de Pierre Jean Silvie, do Centro de Cooperação Internacional em Pesquisa Agronômica para o Desenvolvimento (França), com a palestra sobre manejo de pragas invasoras, e de do Wanderson Bucker Moraes (Ohio State University, Estados Unidos), sobre manejo de giberela em trigo. “Outros temas importantes, como legislação e mistura de agrotóxicos em tanque, interação abelhas-agricultura, drones e sensores na agricultura, ferrugem asiática da soja e o complexo de enfezamento em milho, e manejo de plantas daninhas também foram discutidos”, ressalta  presidente do encontro.

No terceiro dia do evento foi realizado no campo experimental Epagri/Cepaf, em Chapecó, uma demonstração de ferramentas digitais e tecnologias inovadoras, com a participação de empresas de sensores e drones no mapeamento da varibilidade espacial de estresses bióticos e abióticos, drones para aplicação de agrotóxicos e liberação de inimigos naturais e máquinas para capina elétrica.

No vídeo a seguir, acompanhe uma Dica Epagri para fazer o monitoramento da cigarrinha-do-milho. A presença desse inseto pode acarretar um problema sanitário nas lavouras de milho.