Banana

Recomendações técnicas para o cultivo em Santa Catarina
banana00

Ricardo José Zimmermann de Negreiros
Robert Harri Hinz
Luiz Alberto Lichtemberg
José Maria Milanez
Faustino Andreola

 

Santa Catariana ocupa o terceiro lugar entre os estados produtores de bananas no Brasil.
Produz anualmente cerca de 665 mil toneladas da frutas, que são cultivadas em 30.427ha, distribuídos em 5 mil propriedades de produtores rurais familiares. A banana catarinense abastece o mercado interno nacional e de exportação para países do Mercosul. Os principais cultivares plantados são o Nanicão e o Prata.

A elaboração deste material pela equipe do Projeto Fruticultura Tropical tem como objetivo informar ao público geral, produtores e técnicos as etapas e suas principais tecnologias envolvidas na produção comercial de bananas em Santa Catarina.

Este documento não deve ser considerado como única fonte de consulta por produtores ou técnicos já iniciados na atividade, mas sim como um guia prático e rápido. Basta o acesso à internet, ou até mesmo um telefone celular para esclarecer as dúvidas do dia a dia durante o trabalho no campo.

Recomenda-se, além deste material, que sejam feitas consultas aos extensionistas rurais nos municípios, participações em cursos profissionalizantes, dias de campo e outros eventos, bem como o acesso a outras fontes de informação, como forma de se manter tecnologicamente atualizado, produzindo bananas de forma sustentável e competitiva.

Implantação do pomar

Luiz Alberto Lichtemberg e Ricardo José Zimmermann de Negreiros

• Escolha do local

Na escolha da área para a implantação de um pomar de bananas, deve-se escolher solos drenados e preferencialmente com exposição Norte ou Leste, evitando áreas sujeitas a ventos fortes, geadas, secas e inundações, além de ficar atento às áreas de preservação permanente das propriedades.

banana01

• Correção do solo e adubações do bananal

Antes da implantação do bananal, deve-se fazer a análise do solo. O solo deve ter seu pH corrigido para 6,0 com o uso de calcário. Os principais nutrientes requeridos pela banana para sua máxima produção são: macronutrientes (Nitrogênio; Fósforo; Potássio; Cálcio; Magnésio) e
micronutrientes (principalmente Boro e Zinco). A adubação orgânica também é importante para suprir os demais micronutrientes e melhorar a estrutura física e a diversidade microbiológica do solo.

• Adubação de pré-plantio

Aplicar os nutrientes antes do plantio das mudas, preferencialmente a lanço, com incorporação, no mínimo, na camada arável. No caso de plantio em encostas muito declivosas, sugere-se a aplicação dos fertilizantes após o coveamento, colocando-se metade das doses nas covas, homogeneizando-se bem com o solo. O restante deve ser aplicado em torno das cavidades.

• Adubação de plantio

Aplicar na cova ou sulco de plantio. Misturar, juntamente com o fertilizante fosfatado, 15 a 20 litros de esterco de bovinos ou 3 a 4 litros de composto ou esterco curtido de aves por cova, misturando bem com o solo.

• Adubação de formação (ou crescimento)

Corresponde à adubação do primeiro ciclo, ou seja, para o primeiro ano. Visa suprir as
quantidades de nutrientes extraídas pelos cachos e o necessário para a formação dos demais órgãos da planta. As doses devem ser divididas em partes iguais, conforme o número de famílias.

• Adubação de reposição (ou manutenção)

Aplicada para o bananal em fase de produção. Visa restituir os nutrientes contidos nos cachos e as perdas ou imobilizações temporárias. As doses indicadas devem ser aplicadas a cada 2 (dois) meses, após a adubação de formação. O cálculo das doses foi baseado na produtividade de 30
toneladas/ha/ano para os cultivares Nanica, Nanicão e Grande Naine. Para os cultivares Prata, Branca e Enxerto, assumiu-se a produtividade de 15 toneladas/ha/ano. É recomendado o ajuste das doses indicadas na tabela, ocorrendo produtividades diferentes das especificadas.

• Localização dos fertilizantes

Os fertilizantes, nos primeiros meses, devem ser distribuídos até a seleção dos perfilhos, em círculos ao redor das mudas, a uma distância de 30 a 40 cm delas. Após a seleção dos perfilhos, os adubos devem ser distribuídos em “meia-lua” defronte aos deles, a uma distância de 30 a 40cm. Não deve ser feita a incorporação dos adubos, evitando-se danos no sistema radicular das plantas. Deve-se aplicar os adubos, sempre que possível, quando o solo estiver úmido. Em bananais bem alinhados e com distribuição uniforme das plantas, pode-se fazer a adubação a lanço por toda a área.

• Nitrogênio: Adubação de formação e reposição

Tabela 01 – Adubação nitrogenada para banana

banana02

• Fósforo: Adubação de pré-plantio, plantio, formação e reposição.

Tabela 02 – Adubação fosfatada para banana

banana03

• Potássio: Adubações de plantio, formação e reposição

Tabela 03 – Adubação potássica para banana

banana04

• Para o caso de deficiências comprovadas de B e Zn

Boro – No solo = 12 kg de bórax/ha/ano.
Esta aplicação pode ser feita diretamente no solo ou misturando-se o bórax aos adubos
NPK, ou via foliar – Solução com 0,1% de ácido bórico.

Zinco – No solo = 20 kg de FTE BR 12 /ha/ano ou 12kg de sulfato de zinco/ha/ano, ou
foliar – Solução com 0,5% de sulfato de zinco.

O Cálcio e o Magnésio podem ser supridos com a calagem do solo para correção do pH ou
com uso do calcário como fonte destes.

• Adubação Orgânica

A matéria orgânica representa a base da atividade biológica do solo, funcionando como regulador metabólico das plantas e colocando à disposição do sistema radicular os nutrientes necessários para o desenvolvimento das plantas. Além do uso de adubos minerais, compostos orgânicos diversos, como dejetos de animais e restos vegetais compostados, são recomendados para a nutrição dos bananais. Para a máxima produção, no entanto, há necessidade de complementação com adubação mineral de forma equilibrada.

Manejo do solo
Faustino Andreola

O manejo do solo é uma expressão usada para se referir ao conjunto de todas as operações de cultivo e, ou práticas culturais conduzidas ou aplicadas ao solo, com vistas a dar condições favoráveis ao desenvolvimento das plantas. O manejo do solo, na prática, está tão relacionado aos métodos de conservação do solo que muitas vezes se confundem.

Por sua vez, a conservação do solo está estreitamente relacionada aos métodos de controle da erosão hídrica. No passado, a conservação do solo era tida como sinônimo de práticas mecânicas de controle de erosão (terraços, cordões em contorno, banquetas, patamares e outras) que se usadas isoladamente, contribuíam muito pouco para o controle da erosão hídrica do solo.

Mais de 90% do solo que se perde, é devido ao impacto das gotas da chuva sobre o solo desnudo. Todavia, a manutenção permanente da superfície coberta é uma condição de fundamental importância para um adequado controle da erosão. A cobertura na superfície do solo nos bananais implantados em solos declivosos tem um grande efeito no controle da erosão.

Porém, muito solo, água, nutrientes e matéria orgânica são carreados para fora da lavoura. Isso ocorre porque os solos naturalmente adensados têm baixa infiltração e essa característica, aliada à declividade da superfície, provoca o escoamento rápido da água. O manejo do solo de bananal restringe-se ao manejo das plantas que vegetam sob esse bananal.

Se o bananal está estabelecido em áreas planas, o máximo requerido, além do manejo da vegetação, é a drenagem das áreas com acúmulo de água (áreas muito úmidas). Como a maioria dos bananais localiza-se em solos declivosos, muitas vezes excessivamente declivosos, raramente se realiza alguma prática mecânica para conservá-los. Assim, as práticas ficam restritas ao manejo das plantas que vegetam na área.

O mais comum é o agricultor utilizar herbicidas de ação total para o controle da vegetação espontânea. Entretanto, é comum encontrar bananais degradados pela ação de nematoides. Isso ocorre porque, na falta de outras raízes, os nematoides se alimentam das raízes da bananeira, levando a sérios prejuízos. É recomendável o uso de roçadas ou quando se faz uso de herbicidas, utilizar aqueles de contacto (que matam somente a parte aérea das plantas.

Genericamente as plantas de cobertura do solo são chamadas também de plantas para adubação verde e plantas melhoradoras do solo. De qualquer maneira, são plantas cultivadas para proteção do solo contra a ação da chuva, dos ventos e do sol que resultam em melhorias nas propriedades físicas, químicas e biológicas do solo.

As leguminosas destacam-se entre as espécies vegetais que podem ser utilizadas como plantas melhoradoras do solo, pela sua característica em obter a quase totalidade do nitrogênio que necessitam, por meio da simbiose com bactérias específicas, as quais, ao se associarem com as leguminosas, utilizam o nitrogênio atmosférico transformando-o em compostos nitrogenados.

Além disso, as leguminosas apresentam raízes geralmente bem ramificadas e profundas, que atuam estabilizando a estrutura do solo e reciclando nutrientes. Trabalhos de pesquisa com fruteiras (banana, citros, mamão e maracujá) têm mostrado efeitos benéficos da utilização de leguminosas nas entrelinhas, como plantas melhoradoras do solo. Entre as leguminosas estão o feijão-de-porco, o guandu, as crotalárias, o caupi, o kudzu tropical, a mucuna preta, o amendoim forrageiro, a ervilhaca comum, entre outras.

Contudo, para a bananeira, tão importantes quanto as leguminosas, são as não leguminosas (introduzidas ou nativas), especialmente aquelas que apresentam capacidade de vegetar no ambiente sombreado dos bananais. Isso porque a presença de raízes de outras espécies é muito importante para aliviar a pressão dos patógenos (nematoides e fungos) sobre as raízes da bananeira. Dentre as não leguminosas implantadas, as que melhor vegetam sob o bananal são o nabo forrageiro, a aveia preta e o azevém.

A grande vantagem de se manter o solo permanentemente coberto com espécies vegetais é, justamente, o controle da erosão. Porém, as plantas exercem uma série de outros efeitos sobre os atributos físicos, químicos e biológicos dos solos, que podemos citar:

  • aumento do teor de matéria orgânica no solo;
  • melhoria da estrutura do solo;
  • aumento da capacidade de retenção de água e sua disponibilidade para as plantas;
  • aumento da infiltração da água da chuva e redução de enxurradas;
  • diminuição da compactação do solo;
  • promoção de maior aeração e enraizamento;
  • aumento da Capacidade de Troca de Cátions;
  • favorecimento da absorção dos elementos essenciais;
  • complexação de metais e radicais tóxicos;
  • diminuição do efeito tóxico do alumínio;
  • aumento da eficiência dos microcatiônicos;
  • solubilização de alguns metais essenciais;
  • aumento das populações de organismos do solo;
  • aumento da atividade biológica do solo;
  • proporcionar o equilíbrio da biota do solo e transporte de MO em maiores profundidades;
  • diminuição do efeito das doenças e das pragas nas plantas;
  • apresentar efeito supressor/alelopático sobre espécies invasoras.

Tabela 04 – Algumas espécies de cobertura que apresentam efeito alelopático sobre algumas invasoras.

banana04 banana05

banana06

Foto 02 – Raízes de nabo forrageiro

banana07

Foto 03 – Nabo Forrageiro em bananal

banana08
Foto 04 – Ervilhaca comum (final de ciclo)

banana09

Foto 05 – Centeio

banana10

Foto 06 – Feijão de porco

banana11 banana12
Foto 07 – Mucuna anã Foto 08 – Crotalária espectabilis

banana13
Foto 09 – Guandu anão

banana14
Foto 10 – Kudzu tropical

 

Mudas de banana
Luiz Alberto Lichtemberg e Ricardo José Zimmermann de Negreiros

Um bananal pode ser cultivado por vários anos, por isso cuidados com a origem das mudas e seu preparo são fundamentais. Características boas (porte baixo, alta produtividade e resistência a doenças), assim como ruins (disseminação de pragas e doenças) podem ser trazidas com as mudas para o novo bananal. A implantação do bananal pode ser feita com mudas produzidas na propriedade a partir de um viveiro feito com mudas de plantas básicas ou plantas matrizes oriundas de instituições oficiais. Outra forma é o uso de mudas de bananeira micropropagadas e aclimatadas, adquiridas de laboratórios certificados.

banana15 banana16
Foto 12 – Mudas prontas para plantio
Foto 11 – Mudas tipo chifre e d’água

banana17Foto 13 – Mudas de meristema sendo aclimatadas


• Instalação do viveiro

O plantio deve ser feito em grandes densidades, o que permite um melhor aproveitamento da área. Ele pode ser feito em filas simples ou filas duplas. Plantio em filas simples: 1,5m entre plantas x 1,5m entre linhas. Este espaçamento resulta numa densidade de 4.444 covas/ha, o que permite, num espaço de tempo 14 a 16 meses, uma produção de aproximadamente 45 mil mudas/ha.

banana18Figura 01 – Espaçamento de plantio

Plantio em filas duplas – 3,0m entre filas duplas x 1,5m entre as linhas da fila dupla x 1,0m entre plantas nas linhas. Este espaçamento resulta numa densidade de 4.444 covas/ha, o que por sua vez permite, também num espaço de tempo de 14 a 16 meses, uma produção de aproximadamente 45 mil mudas.

banana19Figura 02 – Espaçamento de plantio em fileira dupla

• Cultivares recomendados

Em Santa Catarina, atualmente são recomendados para plantio os cultivares do grupo Cavendish: Nanicão, Grande Naine e Nanicão Corupá e do grupo Prata: Enxerto ou Prata Anã, Branca e Catarina. FHIA-01, Maçã Bahia, Thap Maeo e Baby Prata são agromicamente recomendados, porém com pouca aceitação comercial.

• Nanicão

Conhecido também por Caturrão, Paulista ou D’água, é um cultivar que surgiu no Litoral de São Paulo, por mutação natural da banana Nanica. É um dos cultivares mais indicados para a exportação devido a sua melhor conservação no transporte. Em Santa Catarina é o principal cultivar em área plantada e em produção. Tem porte médio, de 2,30 a 4,00 metros de altura, e é muito produtiva. É altamente suscetível à sigatoka-amarela, suscetível à sigatoka-negra e altamente resistente ao mal do panamá.

banana20

Foto 14 – Cacho de bananas, cultivar “Nanicão”

• Grande Naine

Tem características de aceitação pelo mercado, produtividade, e resistência às pragas e doenças muito semelhantes à cultivar Nanicão. Sua planta, seu cacho e seus frutos também são bastante parecidos aos da Nanicão. Seu fruto, porém, é um pouco mais reto, devido à maior proximidade entre as pencas. É uma bananeira de porte médio, com 2,00 a 3,40 metros de altura, um pouco mais baixa que a Nanicão.

Suas folhas são mais juntas e mais caídas do que as da Nanicão. Atualmente é a bananeira mais cultivada em diversos países produtores de banana e uma das mais procuradas para plantio em Santa Catarina. É altamente suscetível à sigatoka-amarela, suscetível à sigatoka-negra e altamente resistente ao mal do panamá.

banana21

Foto 15 – Cacho de bananas, cultivar “Grande Naine”

• Nanicão Corupá

Trata-se de um clone oriundo de variação natural no campo, coletado em 1983, em Corupá, SC. É um material do subgrupo Cavendish com porte mais baixo do que a Grande Naine. É altamente suscetível à sigatoka-amarela e altamente resistente ao mal do panamá.

banana22

Foto 16 – Cacho de bananas, cultivar “Nanicão Corupá”

• Enxerto ou Prata Anã

Este cultivar surgiu no início do século XX, no sul de Santa Catarina, a partir de uma mutação da banana “Branca”. Apresenta porte médio (2,20 a 4,50 metros de altura). Seu cacho pesa entre 7 e 40 quilos em Santa Catarina, sendo normais cachos de cerca de 15 quilos. É uma excelente banana para o mercado interno brasileiro. É moderadamente suscetível à sigatoka-amarela e ao mal do panamá, além de suscetível à sigatoka-negra.

banana23

Foto 17 – Cacho de bananas, cultivar “Prata Anã”

• Branca

Cultivado desde o começo do século passado no Estado, este cultivar foi o principal em área plantada em Santa Catarina até a década de 1960. Apresenta porte alto, com 3,00 a 5,60 metros de altura. Seu cacho é pequeno, entre 7 e 30 quilos, normalmente com cerca de 10 quilos. Por ser muito rústica, a bananeira “Branca” é geralmente cultivada sem controle de plantas daninhas e, às vezes, dentro de capoeirões e matas.

Em Santa Catarina é comum o cultivo em grotões protegidos de ventos, geralmente sem aplicação de adubos químicos e agrotóxicos. O seu fruto é o preferido no Litoral Catarinense, recebendo bons preços no mercado, normalmente o dobro das cultivares do subgrupo Cavendish. É moderadamente suscetível à sigatoka-amarela e ao mal do panamá e suscetível à sigatoka-negra.

banana24
Foto 18 – Cacho de bananas, cultivar “Branca”

• Prata Catarina

Trata-se de um clone do cultivar Enxerto, oriundo de variação natural no campo, coletado em 1997, na comunidade de Retiro da União, em Santa Rosa do Sul, SC. Apresenta maior resistência ao mal do panamá e à “fuligem do fruto” do que o Enxerto. O tamanho e a coloração dos frutos também são comparativamente melhores. É chamada também de Prata Catarina. É moderadamente suscetível à sigatoka-amarela e moderadamente resistente ao mal-do-panamá.

banana25

Foto 19 – Cacho de bananas, cultivar “Prata Catarina”

• Densidade de plantio

A escolha do espaçamento de plantio dependerá de fatores ambientais, mercadológicos e varietais, além do nível de manejo e da expectativa de longevidade do bananal. Em geral bananeiras de porte médio, como a Grande Naine, permitem utilizar espaçamentos de 2,00 m x 2,50 m; 2,00 m x 3,00 m ; 2,50 m x 2,50 m.

Para o plantio de Nanicão, utilizam-se espaçamentos de 2,50 m x 2,50 m; 2,50 m x 3,00 m. Cultivares como Prata Anã e Catarina exigem espaçamentos maiores: 2,50 m x 3,00 m; 2,00 m x 3,50 m; 2,00 m x 4,00 m.


Tratos culturais

• Desbaste do bananal

Recomenda-se fazer a condução do bananal com uma “família” por touceira, mantendo-se apenas uma planta de cada geração (planta mãe, filha e neta) na touceira.

• Desfolha do bananal

A desfolha consiste na eliminação de folhas secas, velhas, doentes, quebradas e até mesmo normais, quando localizadas entre as pencas, deformando e ferindo os frutos. A desfolha tem como objetivo aumentar a luminosidade e o arejamento do bananal, o que reduz a ocorrência de pragas, doenças e danos nos frutos.

O aumento da luminosidade no interior do bananal acelera o crescimento dos filhotes e a produção. O atrito entre folhas secas e frutos facilita a penetração de fungos que causam doenças, como a “ponta de charuto” e “antracnose”.

banana26

Foto 20– Desfolha do bananal

• Escoramento da bananeira

Os cachos muito pesados e a ocorrência de ventos fortes podem causar o tombamento ou quebra de plantas, causando prejuízos ao produtor. As formas de escoramento mais empregadas são o uso de escoras de bambu, cordas e fitilhos de material sintético.

• Despistilagem e limpeza dos cachos

Consiste na eliminação dos restos florais dos frutos, prevenindo a ocorrência de uma série de doenças fúngicas e da traça-da-banana.

banana27

Foto 21 – Despistilagem

• Poda do coração

Consiste na eliminação do “coração” quando ele se encontra a cerca de 10 centímetros da última penca do cacho. Também previne o ataque de pragas como os tripes nos frutos, o que
proporciona o aumento do rendimento dos cachos.

• Poda das pencas

A poda das pencas é feita manualmente, arrancando-se os frutos das pencas inferiores ou eliminando-os com o auxílio de uma faca ou canivete. Recomenda-se deixar uma fruta da última penca, que manterá a circulação da seiva, evitando-se o aparecimento de doenças como a “seca do rabo” – podridão do engaço. A poda das pencas contribui para maior uniformidade e tamanho das pencas e para o peso do cacho.

 • Ensacamento

Consiste na proteção dos cachos com sacos de polietileno de baixa densidade para a proteção dos frutos do ataque de pragas e doenças, ventos fortes, frio, atrito de folhas e outros possíveis danos.

• Desvio de filhotes de bananeira

Esta prática consiste no desvio dos filhotes seguidores, que crescem sob o cacho da planta “mãe”, evitando que venham a prejudicar os frutos devido ao atrito provocado por suas folhas. Os filhotes das bananeiras devem ser conduzidos para o lado mais alto da encosta, visando manter seus rizomas no interior do solo.

• Desvio de cachos

Nos terrenos planos é bastante comum que os cachos sejam lançados exatamente sobre os filhos escolhidos como sucessores, havendo a necessidade de desviar o cacho. Essa prática visa proteger o cacho de danos produzidos pelo contato com o pseudocaule da planta “mãe”, das plantas vizinhas, das varas ou fitilhos de escoramento, de galpões e de outras construções ou ainda dos filhotes dos quais não se pode desviar.

• Manejo do pseudocaule após a colheita

O pseudocaule é deixado de pé até dois meses após a colheita. A manutenção do pseudocaule é recomendável porque, neste período, os filhotes, por estarem interligados à “planta mãe”, aproveitam seus nutrientes, hormônios vegetais e água para se desenvolver. Após esse período, o pseudocaule deve ser rebaixado, à medida que vai secando. Após a derrubada, o pseudocaule deve ser cortado em pedaços e colocado nas entrelinhas do bananal.

• Controle de plantas daninhas

Em bananais novos, recomenda-se fazer o coroamento das plantas, com capinas ou roçadas rente ao solo, com foice ou roçadeira motorizada. Outra opção é o uso de “mulching” de capim seco, cepilho, serragem, acícula de pinheiro ou outro material disponível, num raio mínimo de meio metro em volta das plantas. No restante da área, recomenda-se a roçada manual ou mecânica.

O uso de herbicidas na fase inicial do bananal não é recomendável, porque as plantas ainda pequenas ficam muito sujeitas à deriva destes produtos e são prejudicadas ou mortas mesmo por pequenas quantidades dos herbicidas. Após o sexto mês de idade do bananal, não se recomendam capinas manuais de coroamento, nem o uso de grades ou cultivadores mecânicos nas entrelinhas, para evitar danos ao sistema radicular da bananeira.

Neste caso, sempre que necessário, pode-se fazer a capina química com herbicidas. O uso de herbicidas depende das condições do solo e da infestação e tipo de plantas daninhas. Nos plantios com espaçamento de filas duplas, pode-se usar roçadeira mecânica nas ruas mais largas e herbicidas nas mais estreitas. Recomenda-se o manejo das plantas daninhas, apenas roçando a vegetação invasora num nível baixo, mantendo-se o sistema radicular das plantas daninhas na área.

As gramíneas mais agressivas são eliminadas manualmente (com enxada) ou com herbicidas, localizadamente. Esta prática reduz a incidência de nematoides e fungos de solo, diminuindo os prejuízos ao bananal.

Principais pragas da bananeira
José Maria Milanez

Dentre os fatores bióticos que limitam a produção de uma cultura, destaca-se a ocorrência de pragas, que diminui o rendimento e contribui para o aumento dos custos de produção, em função da necessidade de se controlar as pragas. No entanto, tais medidas devem ser criteriosas e
aplicadas com base na filosofia atual do manejo integrado de pragas (MIP). No Brasil, embora muitos insetos ocorram na cultura da bananeira, poucos são os que causam danos significativos à plantação.

Algumas espécies podem adquirir “status” de pragas-chave em decorrência de desequilíbrios ecológicos provocados pelo impacto de produtos químicos na fauna benéfica, pelas condições climáticas favoráveis, pela abundância de alimentos e/ou ineficiência de inimigos naturais nativos.

Assim, se por definição pragas-chave são aqueles insetos ou ácaros cujo número de indivíduos da população atinge, com frequência, níveis que causam danos expressivos aos frutos e à produção, pode-se considerar que as pragas-chave para a cultura da banana são a broca-do-rizoma e os tripes da erupção-do-fruto e da ferrugem. Outras pragas consideradas secundárias, como os ácaros, pulgões, abelha irapuá, traça-da-bananeira e lagartas desfolhadoras, podem ocorrer esporadicamente e, dependendo das condições, causar prejuízos.

Entretanto, como já relatado anteriormente, a “simples” ocorrência de pragas, por si só, não justifica a adoção de medidas unilaterais de controle. Sabe-se que o bananal, como qualquer outro agroecossistema, interage com o meio e, nesse contexto, pode-se afirmar que o manejo adequado do pomar, bem como a preservação de inimigos naturais, é condição essencial para se ter um ambiente mais equilibrado, saudável, com menores custos de produção e que, consequentemente, produza frutas de melhor qualidade.

 Broca-da-bananeira (Cosmopolites sordidus; Coleoptera Curculionidae)

Inseto conhecido por vários nomes comuns. Em algumas regiões pode ser chamado de moleque-da-bananeira, broca-da-bananeira, broca-do-rizoma ou besouro-da-bananeira. A broca-da-bananeira é considerada a maior praga da bananeira na maioria das regiões produtoras de banana do mundo. Os danos causados pelas larvas deste inseto são algumas vezes acentuados pelo ataque de outros insetos e por outros micro-organismos que aceleram a destruição e a decomposição do rizoma.

banana28

Foto nº 22 – Adulto da broca-da-bananeira Cosmopolite sordidus

Danos:

A larva da broca-da-bananeira se desenvolve no interior do rizoma da planta, podendo causar danos na planta e na produção de frutos. Os danos causados pelas larvas podem ser classificados como danos diretos e indiretos. Os danos diretos são causados pelas larvas quando abrem galerias no rizoma e no pseudocaule. Essas galerias danificam os tecidos internos das plantas e impedem um melhor aproveitamento dos nutrientes do solo. Os danos indiretos são provocados pelo ataque de outros insetos ou micro-organismos que aceleram a destruição e decomposição das plantas.

banana29

Foto nº 23 – Dano causado no rizoma pelas larvas de Cosmopolites sordidus

Ciclo biológico

O adulto é um besouro preto, que mede 11mm de comprimento e 5mm de diâmetro, apresenta pontuações em todo o corpo e estrias longitudinais nas asas anteriores (élitro). Apresenta o aparelho bucal com prolongamento anterior (rostro), com pontuações que servem como um caractere morfológico para diferenciação entre machos e fêmeas. Os adultos podem viver por mais de dois anos. As fêmeas, no entanto, produzem poucos ovos, os quais são colocados, individualmente, em orifícios abertos com o rostro na região de inserção das bainhas foliares junto ao solo.

A larva, conhecida como broca-da-bananeira é ápoda, com o corpo de coloração branca e cabeça marrom. O período de desenvolvimento larval depende da temperatura e da fonte de alimento (cultivar). Após o seu desenvolvimento, as larvas se dirigem para a periferia do rizoma onde formam uma espécie de casulo e se transformam em pupa.

Controle

• Controle Cultural

O controle cultural consiste na limpeza da lavoura com a destruição do material infestado. O controle de plantas daninhas também é importante. Manter a lavoura no limpo, livre de plantas daninhas, principalmente ao redor das plantas, dificulta a multiplicação da praga. O preparo do material de plantio não deve ser deixado na lavoura durante a noite, pois as fêmeas da broca podem ser atraídas para depositarem seus ovos nas superfícies recém-cortadas.

• Uso de mudas sadias

A broca-da-bananeira pode ser disseminada por meio de mudas. Portanto, devem ser usadas no plantio somente mudas sadias, provenientes de bananais sadios. As mudas devem estar sem sinais de ataque, o que pode ser visto pela ausência de galerias nos rizomas.

• Imersão das mudas

O tratamento químico das mudas é importante, principalmente quando as mudas forem obtidas de lavouras infestadas. As mudas do tipo ”inteira” (rizoma) e “pedaço de rizoma,” após descorticamento (descascadas), devem ser imersas em solução de inseticida + fungicida.

• Iscas atrativas

As iscas podem ser usadas não somente para o controle dos adultos, mas também como levantamento populacional da praga. As iscas podem ser de dois tipos: “telha” e “queijo”. A isca tipo “telha” consta de pedaços de pseudocaules de plantas que já produziram, com comprimento de 50cm, cortados ao meio longitudinalmente e colocados com a parte cortada em contato com o solo. A isca tipo telha tem um período de atratividade de uma semana. Portanto, para melhor eficiência, é aconselhável que este tipo de isca seja renovada semanalmente.

Para fins de controle do inseto (químico ou biológico), é recomendado o uso de 40 a 100 iscas do tipo telha por hectare. A isca do tipo queijo é feita em plantas que já produziram frutos, de preferência logo após a colheita. O pseudocaule deverá ser primeiramente cortado em torno de 40cm de altura do solo. Em seguida, deverá ser feito um segundo corte, este transversal e levemente inclinado, o mais próximo do solo quanto for possível.

A isca do tipo queijo tem um período de atratividade de 14 dias. É recomendado o uso de aproximadamente 100 iscas do tipo queijo por hectare. Para realizar o levantamento populacional do moleque-da-bananeira, é recomendada a instalação de, no mínimo, 20 iscas por hectare. As iscas deverão ser colocadas mensalmente e a contagem dos insetos deve ser iniciada a partir do sétimo dia após a colocação. O controle biológico ou químico deverá ser realizado quando for encontrado em média mais de três adultos/isca/mês.

Tipos de isca

banana30Foto nº 24 – Isca do tipo queijo                                         Foto nº 25 – Isca do tipo queijo modifica

 

banana31
Foto nº 26 – Isca do tipo telha

• Controle biológico

O controle biológico da broca-da-bananeira pode ser feito através do fungo Beauveria bassiana. Este fungo não é tóxico ao homem, não polui o ambiente e não deixa resíduos nos frutos. É de fácil utilização e não requer equipamentos especializados para a sua aplicação.  O fungo Beauveria é aplicado na dosagem de aproximadamente 20 gramas por isca do tipo queijo modificada. Sugere-se fazer aproximadamente 100 iscas por hectare.

Logo após o preparo das iscas, o fungo deverá ser aplicado na parte inferior do pseudocaule e, após a aplicação, o pedaço superior da isca deverá ser recolocado na sua posição original. Os adultos atraídos pela isca, ao entrar em contato com o fungo Beauveria, irão ser contaminados pelo fungo e vão morrer dez a quinze dias após a sua contaminação.

banana32
Foto nº 27 – Aplicação do fungo entomopatogênico Beauveria bassiana associado à isca do tipo
queijo modificada. No detalhe, adulto de Cosmopolites sordidus infectado pelo fungo.

Tripes

Tripes da erupção
(Frankliniella brevicaulis: Thysanoptera Thipidae)

A espécie F. brevicaulis é comumente encontrada em bananais do Estado de Santa Catarina. O comprimento do corpo varia de 1,2 a 1,5mm. Possui coloração marrom, asas anteriores marrom-amareladas e fêmures com sombreado marrom ao longo da superfície externa. A forma jovem (ninfa) é de cor amarela. Após a eclosão, as ninfas, que se movimentam rapidamente, dirigem-se para o interior da inflorescência, onde se desenvolvem e passam pelas fases de ninfa I e ninfa II.

Adultos e ninfas de F. brevicaulis ocorrem durante todo o ano, mas no período mais quente do ano a população aumenta, coincidindo com épocas de maior inflorescência de bananais na região. No caso de F. brevicaulis, o dano nos frutos inicia-se com a oviposição realizada no início do
desenvolvimento dos frutos e, à medida que se desenvolvem, aparecem puncturas ásperas ao tato, originando o sintoma conhecido como erupção.

Quando as ninfas eclodem, o orifício deixado na epiderme da casca dos frutos normalmente é colonizado por fungos, caso do Colletotichum musae, agente causal da antracnose, facilmente reconhecida pelas manchas negras que aparecem na banana madura.

banana33a banana33b
Foto nº 28 – Ninfa (A) e adulto (B) de Frankliniella brevicaulis Foto nº 29 – Puncturas de erupção no fruto causada por F. brevicaulis

. Dano

A oviposição feita pelas fêmeas do tripes da erupção na casca dos frutos causa pequenas erupções marrom-escuras, ásperas ao tato. Em grandes infestações, a casca dos frutos pode se tornar completamente escura devido ao grande número de erupções. O ponto escuro no centro da erupção é, algumas vezes, circundado por um anel verde- escuro que desaparece quando o fruto estiver maduro. As fêmeas do tripes da ferrugem colocam os seus ovos na epiderme da planta, nos brotos ou nas bordas das bainhas. Após a eclosão, as larvas se dirigem aos frutos, onde se alimentam e, então, se dirigem ao solo para empupar.

Tripes-da-ferrugem-dos-frutos

Chaetanaphothrips spp (Thysanoptera Thipidae)
Bradinothrips musae (Thysanoptera Thipidae)

As espécies acima citadas são comumente relatadas como pragas causadoras de ferrugem em frutos de bananeira.Os adultos vivem em qualquer parte protegida da planta: cachos, bainhas das folhas epecíolos. As manchas circulares de coloração ferrugem encontradas entre os dedos são os primeiros sinais de ataque. A coloração ferruginosa é causada pela alimentação de ninfas e adultos de tripes.

A casca se torna de coloração marrom-avermelhada, tornando-se áspera e, em algumas circunstâncias, o fruto pode apresentar rachaduras. Além das leves marcas provocadas pela oviposição, os danos causados pela alimentação só aparecem quando os frutos se viram para cima e quando as bananas se encostam umas nas outras.

banana34
Foto nº 30 – Sintoma de ferrugem nos frutos

• Controle

Após a formação do cacho é aconselhável a eliminação do coração para reduzir a população do tripes. O ensacamento dos cachos com bolsas plásticas abertas na parte debaixo é uma medida eficiente para reduzir os danos provocados pelo inseto. O ensacamento dos cachos com bolsa plásticas tratadas com inseticida é uma opção para reduzir a praga e é atualmente, considerada essencial para a qualidade da banana colhida em diferentes regiões produtoras do mundo. Quando o ataque é intenso, é necessária a aplicação de produtos químicos, mas essa medida é muito prejudicial aos inimigos naturais.

Em casos de alta infestação, aplicam-se inseticidas fosforados e carbamatos por ocasião do lançamento do pendão floral, mas a pulverização deve ser feita somente nos cachos. Para o tripes da erupção, apenas o ensacamento precoce da inflorescência ainda fechada com sacos plásticos impregnados com inseticidas tem mostrado eficiência no controle químico da praga.

Traça-da-bananeira: (Opogona sacchari: Lepidoptera-Lyonitidae)

A traça Opogona sacchari (Lepidoptera: Lyonitidae) é originária de regiões úmidas tropicais e subtropicais da África. Trata-se de uma praga polífaga que ataca pelo menos 42 espécies de plantas em todo o mundo, incluindo várias espécies de Musa. No Brasil, a primeira constatação da praga em bananeira foi em 1973. Logo após sua constatação, o serviço de fitossanitário argentino, em setembro de 1974, identificou a presença do inseto em frutos de cargas importadas. No Estado de Santa Catarina, a presença de O. sacchari foi referida pela primeira vez em 1980 na região Norte. O adulto é uma pequena mariposa de coloração acinzentada, medindo 10mm de comprimento por 25mm de envergadura. A asa posterior tem coloração clara e é bastante franjada.

As fêmeas colocam os ovos preferencialmente na região estilar de forma individualizada ou agrupada. Ao eclodirem, as lagartinhas medem em média 2 mm. Inicialmente as lagartinhas se alimentam na região estilar e, então, penetram no fruto, onde se desenvolvem e alcançam cerca de 25 mm de comprimento. Nesta fase, as lagartas têm coloração creme com manchas escuras na região dorsal e lateral. Ao final da fase larval, as lagartas tecem uma espécie de fio de seda pelo qual descem até o pseudocaule e se escondem entre as bainhas das folhas, onde passam para a fase de pupa. A pupa tem coloração marrom-avermelhada e mede em torno de 12 mm de comprimento.

banana35
Foto nº 31 – Adulto de Opogona sacchari

banana36

Foto nº 32 – Ovos de Opogona sacchari na região do pistilo (A).

No detalhe ovos em fotografia aumentada (B)

banana37
Foto nº 33 – Lagarta de Opogona sacchari

banana38

Foto nº 34 – Pupa de Opogona sacchari

. Dano

As lagartinhas, recém-eclodidas, alimentam-se inicialmente na região estilar e, em seguida, penetram no fruto onde se alimentam da polpa. As fezes, encontradas nas galerias, criam condições favoráveis para iniciar o processo de apodrecimento do fruto. No Estado de Santa Catarina, as maiores infestações ocorrem nos municípios produtores localizados na região do Litoral Norte. No entanto, deve-se salientar que a referida praga não causa baixa na produtividade da banana em nossas condições, já que os ataques não são generalizados. O prejuízo se dá somente quando as cargas, destinadas à exportação para a Argentina, são rechaçadas, devido à presença de lagartas no fruto, pelos agentes fitossanitários por se tratar de praga quarentenária.

banana39

Foto nº 35 – Dano causado no fruto de banana pela lagarta de Opogona sacchari

.Controle

Medida física 
Ensacamento: O ensacamento precoce dos cachos reduz, de modo geral, a infestação de pragas que atacam os frutos;

Medidas culturais
Despistilagem: Realizar preferencialmente no campo, pois a seiva que exsuda dificulta a entrada das lagartinhas recém-eclodidas para o interior dos frutos. Os restos florais são o local preferido para a oviposição;

Descarte: A casa de embalagem deve ser adequada, e a equipe de embaladores tem que estar capacitada para realizar a inspeção das pencas e buquês e eliminar o material que apresentar vestígios de ataque da praga.

Controle químico:
O uso dos inseticidas registrados é uma alternativa de controle integrado e deve ser feito mediante receituário agronômico. A aplicação deve ser feita com pulverizador costal dirigida ao cacho.

Uso de gravata: Consiste em utilizar uma tira de saco impregnado com inseticida (8 a 10cm de largura por 90cm de comprimento), colocada junto ao cacho de bananeira cerca de trinta dias antes do ponto fisiológico de colheita.
Pragas secundárias

• Abelha cachorro ou arapuá (Trigona spp: Hymenoptera: Apidae)

O adulto é de coloração preta. Constroem seus ninhos nas plantas abandonadas. Na construção do ninho, a abelha arapuá utiliza filamentos fibrosos de vegetais, principalmente os que contenham resina. Por esse motivo é que as abelhas cortam, com as suas mandíbulas, os tecidos das plantas, provocando danos.

banana40
Foto nº 36 – Adultos da abelha arapuá visitando a inflorescência de bananeira

• Danos

Ataca as inflorescências e cachos à procura de substâncias resinosas, causando sensíveis danos à banana, onde formam lesões irregulares, que prejudicam o seu valor comercial. Nas regiões onde ocorre o “moko” essa abelha é importante vetor da doença.

• Controle

O mesmo controle que é recomendado para tripes. O ensacamento dos cachos impede o acesso da praga ao fruto. A destruição dos ninhos geralmente é eficiente.

Lagartas desfolhadoras
Calligo spp (Lepidoptera: Brassolidae)

Opsiphanes invirae (Lepidoptera: Brassolidae)

Antichloris eriphia (Lepidoptera: Ctenuchidae)

A ocorrência de surtos de lagartas desfolhadoras é esporádica e causada por desequilíbrio natural em áreas com uso mais intensivo de inseticidas. Geralmente, as lagartas desfolhadoras são controladas por inimigos naturais (parasitoides e predadores) e epizootias de fungos e vírus.

Caligo spp “Borboletas coruja”

A espécie Calligo illioneus é comumente encontrada nas regiões litorâneas produtoras de banana. O adulto pode atingir até 14cm de envergadura. Os ovos são colocados em grupos sobre as folhas. As lagartas são gregárias e se alimentam durante a noite. No último estádio de desenvolvimento, as lagartas medem cerca de 10cm de comprimento e apresentam coloração marrom. As lagartas iniciam a alimentação nas margens das folhas e destroem o limbo foliar, exceto as nervuras. Após o desenvolvimento larval, elas empupam na própria folha. A diminuição do índice foliar faz com que os cachos fiquem reduzidos.

banana41
Foto nº 37 – Lagarta (A) e adulto (B) de Calligo illioneus

Opsiphanes invirae

Os adultos são de coloração marrom, com uma faixa amarela transversal no terço apical das asas anteriores e, nas asas posteriores, possuem duas manchas brancas no ápice. As fêmeas depositam os ovos individualmente. As lagartas têm coloração verde com estreitas faixas longitudinais amarelas e brancas e costumam ficar na face inferior das folhas ao longo da nervura central, alimentando-se do limbo foliar. Após o desenvolvimento larval, as lagartas se transformam em pupas na própria planta.

banana42
Foto nº 38 – Lagarta (A) e adulto (B) de Opsiphanes invirae

Antichloris eriphia

São lagartas pequenas com o corpo revestido por uma densa e fina pilosidade de coloração amarelada. São encontradas geralmente na face inferior das folhas. As lagartinhas raspam as folhas e as perfuram. Após o desenvolvimento larval, costumam descer ao pseudocaule, onde se transformam em crisálidas. Os adultos são escuro-metálicos e semelhantes a uma vespa.

banana43
Foto nº 39 – Lagarta (A) e adulto (B) de Antichloris eriphia

Danos

As duas primeiras lagartas destroem as folhas a partir das bordas, deixando apenas as nervuras centrais das folhas quando o ataque é intenso. Com isso, os cachos ficam seriamente prejudicados e de tamanho menor. A lagarta Antichloris raspa a superfície das folhas pela face inferior, deixando-as com diversas perfurações no limbo.

• Controle

Existem diversos inimigos naturais que podem controlar as pragas com eficiência. O controle biológico das “lagartas da folha da bananeira” é realizado por vários inimigos naturais de ovos e de lagartas. Dentre estes inimigos naturais se destaca o parasita Apanteles sp. Este parasita é uma pequena vespinha que coloca os seus ovos dentro das lagartas das folhas. As larvas destas vespinhas se alimentam no interior das lagartas e empupam externamente no corpo delas, formando pequenos casulos que ficam presos na pele das lagartas. O controle químico só é recomendado se a população da praga estiver causando danos econômicos.

• Ácaro Tetranychus abacae (Tetranychidae)

A face inferior das folhas das bananeiras pode mostrar-se parcial ou totalmente revestida de grande quantidade de teia, onde, entre os fios, se abrigam ácaros vermelhos. Em decorrência da alta infestação deste ácaro, as folhas apresentam coloração avermelhada tipo “ferrugem”. Essas espécies, em elevadas infestações, também podem provocar danos aos frutos, que apresentam manchas de coloração ferrugem.

banana44
Foto nº 40 – Adultos e ninfas do ácaro Tetranychus abacae

banana45
Foto nº 41 – Frutos de banana com sintoma de ataque de ácaros

• Controle

As populações de ácaros são facilmente lavadas das folhas pelas chuvas e muito raramente chegam a ter importância econômica. A prática do ensacamento tem resultados positivos para o controle de ácaros nos frutos.

Consideração final

Além da identificação correta das espécies, estudos sobre a biologia, flutuação populacional, nível de controle e dano econômico são conhecimentos fundamentais para uma tomada de decisão de controlar ou não a praga. Ênfase especial tem que ser dada para a preservação dos frutos contra o ataque de pragas, combinando métodos de ensacamento dos cachos de diferentes colorações e graus de transparência dos sacos plásticos tratados com inseticidas ou não.

Há necessidade de se avançar em linhas de pesquisa que contemplem métodos de amostragem das pragas, caso de armadilhas que proporcionem uma amostragem relativa da população do inseto, fornecendo dados da evolução populacional da praga que possam ser correlacionadas com dados climáticos, para se desenvolver modelos matemáticos que visem à previsão de ocorrência das principais pragas, até a consolidação de um programa de manejo integrado de pragas para Santa Catarina.

Tabela 05 – Inseticidas, Nematicidas e Acaricidas utilizados na Produção Integrada de Banana-PIB

banana46

Principais doenças da bananeira
Robert Harri Hinz

Doenças causadas por nematoides
Os nematoides, micro-organismos vermiformes, são disseminados principalmente por mudas contaminadas. Afetam o sistema radicular, e em alguns casos o rizoma da bananeira, prejudicando o desenvolvimento da planta, abrindo as portas para a contaminação por ou micro-organismos, principalmente pelo fungo Fusarium oxysporum f.sp. cubense, agente causal do mal-do-panamá.

Nematoide cavernícola
Radopholus similis

O nematoide cavernícola Radopholus similis encontra-se distribuído em todas as regiões tropicais e subtropicais onde se cultiva bananeira. Sua maior incidência ocorre nas bananas do subgrupo Cavendish (‘Nanica’, ‘Nanicão’, ‘Grande Naine’, e ‘Williams’).

Sintomas

O sintoma mais evidente do ataque do nematoide cavernícola é o tombamento da planta (Fig.1), às vezes carregando consigo toda a touceira. O tombamento pode ocorrer em qualquer estágio de crescimento, mas a frequência aumenta em plantas com cacho submetidas a chuvas fortes ou ventos. O nematoide penetra nas raízes primárias, que são tenras e possuem diâmetro entre 4 e 5 milímetros. O micro-organismo se alimenta das células, destrói o tecido progressivamente, invade as raízes maiores, até chegar ao rizoma. Os danos na parte externa das raízes se apresentam na forma de rachaduras longitudinais (Fig. 2) e na parte interna na forma de galerias.

Na parte interna, cortando-se a raiz longitudinalmente, pode-se observar manchas na cor marrom-escura e vinho (Fig. 3). Bananeiras infectadas podem conter mais de 100 nematoides por grama de raiz. O rizoma atacado apresenta podridões de cor negra, marrom-escura e vinho, que podem chegar a 2 cm de profundidade. Ao passarem por essas áreas infestadas do rizoma, as raízes emergem para o solo já contaminadas. A presença de fungos e bactérias nos ferimentos provocados pelo nematoide acelera a destruição do sistema radicular e contribui para o tombamento da planta.

banana47
Foto 42 – Tombamento de bananeira provocada pelo ataque de R. similis

banana48
Foto 43 – Ataque de Radopholus com rachaduras longitudinais na raiz.

banana49
Foto 44 – Galerias no interior da raiz.

Controle

Várias técnicas foram testadas para controlar o nematoide, destacando-se entre elas termoterapia e o controle químico para mudas; a inundação e o controle químico no solo para bananais. Nenhuma delas é totalmente eficiente, além do alto custo. Em relação às mudas, que são a principal forma de disseminação, o único sistema garantido é a aquisição de mudas produzidas em laboratório por meio de cultura de tecidos. Caso essa opção não seja viável, recomenda-se a obtenção de mudas de bananais sadios e, mesmo assim, elas devem ser descorticadas e tratadas com nematicida.

Em bananais contaminados, a melhor forma de combater o nematoide é a reforma ou a renovação do bananal, com um período de, no mínimo, 12 meses com total ausência de rizomas vivos, podendo ser realizada uma rotação de culturas com plantas que não sejam hospedeiras. O controle integrado tem apresentado excelentes resultados. Essa técnica recomenda que os nematicidas sejam utilizados apenas quando e onde forem estritamente necessários, que seja feita uma rigorosa manutenção do espaçamento entre plantas, e que as roçadas químicas sejam substituídas por roçadas mecânicas.

Desse modo o mato será mantido sob controle, aumentando a biodiversidade do solo, e a população de nematoides patogênicos será mantida em níveis abaixo do nível de dano econômico através da competição com micro-organismos antagônicos. Essa técnica poderá ser melhorada com a introdução de gramíneas e leguminosas que não sejam hospedeiras. O controle químico é limitado pelos riscos de contaminação humana e ambiental e altos custos, sendo normalmente praticado por meio da aplicação de nematicidas organofosforados e carbamatos registrados, à razão de 3-4 g de ingrediente ativo por planta, com intervalos de 4 a 6 meses.


Nematoide das lesões
Pratylenchus spp.

Sintomas 
As lesões nas raízes e no rizoma, causadas por Pratylenchus spp., são semelhantes àquelas causadas pelo R. similis, podendo também ocorrer tombamento.

Controle

As medidas de controle são similares àquelas aplicadas ao R. similis, com o cuidado de aumentar o período de pousio e certificar-se de que as culturas utilizadas na rotação não sejam hospedeiras, já que o Pratylenchus possui várias plantas como fonte de alimento.

Nematoide espiralado
Helicotylenchus spp.

Helicotylenchus multicinctus, depois do R. similis, é o nematoide mais disseminado na bananicultura. Embora seja de importância secundária nas regiões tropicais onde ocorre o R. similis, nas regiões subtropicais onde o Radopholus é mais raro esse nematoide pode se tornar um grave problema.

Sintomas

O ataque de nematoide espiralado também alonga o ciclo vegetativo, reduzindo o tamanho das plantas, assim como o peso dos cachos, além de diminuir a vida útil do bananal. Por penetrar somente nas primeiras camadas de células das raízes, um corte longitudinal da raiz apresenta apenas danos superficiais, diferentes daqueles danos profundos provocados pelo R. similis e pelo Pratylenchus. No entanto, sérios prejuízos são causados às radicelas, que passam a apresentar coloração marrom-avermelhada e preta; e em seguida em todo o sistema radicular a infestação aumenta.

Controle

São recomendadas as mesmas práticas utilizadas para controlar o R. similis e o Pratylenchus.

Doenças causadas por fungos

Mal-de-Sigatoka

Duas doenças são conhecidas atualmente com o nome de Sigatoka. A sigatoka-amarela e a negra. A sigatoka-amarela foi identificada pela primeira vez em 1912 no Vale Sigatoka nas Ilhas Fiji. Nos últimos quarenta e cinco anos, foi disseminada para todos os países produtores de banana do mundo. A sigatoka-negra, identificada em 1964, também em Fiji, foi detectada em Honduras em 1972, estando disseminada na América Central, México, Colômbia, Equador e Venezuela, tendo sido identificada pela primeira vez em Santa Catarina em 2004.

As duas doenças causam uma destruição grave das folhas, que provoca queda acentuada de produção e maturação precoce de frutos. Os danos provocados pela sigatoka-negra são, no entanto, mais drásticos e as dificuldades para seu controle muito maiores. Essa doença ataca as folhas da bananeira provocando uma destruição rápida da parte aérea, quando não se promove um combate eficiente. Afeta o crescimento e a produtividade das plantas ao comprometer sua capacidade fotossintética. Também reduz significativamente a qualidade da fruta ao promover a maturação precoce dos cachos ainda na lavoura, sendo esta a maior causa de perdas devido à sua ocorrência.

Sigatoka-amarela 

Mycosphaerella musicola Leach ex. Mulder 
(Pseudocercospora musae (Zimm.) Deighton)

Sintomas 

Os primeiros sintomas aparecem normalmente na segunda e terceira folhas mais jovens da bananeira. São pontos amarelo-esverdeados que medem cerca de um milímetro. Esses pontos alongam-se, acompanhando o sentido das nervuras secundárias da folha. A coloração amarela fica mais intensa e as estrias podem medir de 1×2 milímetros a 1×4 milímetros. Essas estrias passam a ficar mais largas e se transformam em manchas que apresentam, no centro, a cor de ferrugem.

À medida que a mancha cresce, forma-se ao seu redor um anel amarelo. Em seguida, o centro dessa mancha adquire a cor cinza com uma margem marrom ou preta cercada pelo anel amarelo. As manchas individuais chegam a medir 5×15 milímetros (os estágios descritos por Leach em 1970). A partir desse momento a gravidade da doença aumenta, pois as manchas unem-se umas às outras destruindo a folha completamente.

banana50
Foto 45 – Sintomas de sigatoka-amarela em folha de bananeira

Sigatoka-negra

Mycosphaerella fijiensis Morelet 
(Paracercospora fijiensis (Morelet) Deighton

Sintomas 

Os primeiros sintomas são pontuações minúsculas (estágio 1), despigmentadas, visíveis apenas na face inferior do limbo a partir da segunda folha. Essas pontuações evoluem para estrias de cor café (estágio 2), que podem ser vistas em ambas as faces do limbo, sobretudo na face inferior. As estrias, com o passar do tempo se alongam e se tornam mais largas, e continuam com a cor café (estágio 3). Posteriormente transformam-se em manchas fusiformes ou elípticas e de cor marrom escuro (estágio 4). Em seguida as manchas tornam-se negras apresentando um halo amarelo (estágio 5).

Por último o centro das manchas torna-se cinza cercado de negro (estágio 6) (os estágios descritos por Fouré em1970). A sigatoka-negra apresenta uma evolução bem mais rápida das manchas que a da sigatoka-amarela. Geralmente as folhas são destruídas antes que o cacho atinja o ponto de colheita, e o cacho pode cair após o rompimento do engaço.

banana51
Foto 46 – Sintomas de sigatoka negra em folha de bananeira.

Controle

Embora o controle químico seja a arma mais importante no combate à Sigatoka, sua eficiência só irá atingir níveis satisfatórios quando acompanhado de práticas que permitam diminuir a influência benéfica de certas condições do ambiente ao fungo que causa a doença. Algumas medidas culturais servem para aumentar a eficiência do controle químico, que é imprescindível. Dentre elas, pode-se destacar o manejo adequado da água de chuva e irrigação, o controle das ervas daninhas, a cirurgia das áreas atacadas e a utilização e manutenção correta da densidade populacional.

A utilização de equipamentos adequados para a pulverização, sua calibragem e manutenção corretas são fundamentais. O controle químico passa pela necessidade de adequação de metodologias, levando-se em consideração principalmente o conhecimento relacionado aos aspectos epidemiológicos, que passam a determinar através de sistemas de previsão a necessidade de se realizar os tratamentos, a época e a frequência.

Os produtos utilizados no controle são o óleo mineral agrícola, fungicidas de contato, misturados ou intercalados com fungicidas sistêmicos. A utilização de cultivares resistentes é de extrema importância, sendo necessário que se implantem, nos sistemas de pesquisa regionais, unidades capazes de desenvolver e selecionar materiais adequados aos hábitos de consumo das diferentes regiões produtoras e consumidoras do País.

Manejo do bananal e da umidade interna

Na implantação do bananal, é preciso escolher o espaçamento mais adequado para o cultivar selecionado e, no desbaste, evitar agrupamentos de plantas. Bananais densos, assim como agrupamentos de plantas, transformam-se em fonte de esporos (inóculo) por causa da alta umidade e da dificuldade de penetração dos fungicidas entre as folhas.

A desfolha inclui, além da eliminação das folhas mortas e dobradas, a eliminação de folhas altamente contaminadas e a “cirurgia” ou “desponte”, que consistem em cortar somente as áreas atacadas. Com essa prática, reduz-se a umidade e a fonte que produz esporos. O mato também é responsável pela manutenção do excesso de umidade no bananal.

Portanto, é recomendável a realização de roçadas frequentes para mantê-lo o mais baixo possível. O sistema de drenagem tem que ser eficiente e estar permanentemente limpo para drenar o excesso de água originado pela chuva. O sistema de irrigação deve ser projetado para fornecer apenas a quantidade de água necessária para as plantas. A irrigação indiscriminada, além de cara, é prejudicial, pois favorece a ocorrência da doença.

Monitoramento

O sucesso de um cultivo comercial de banana depende de um manejo adequado e eficiente do mal-de-sigatoka. Esse objetivo só é alcançado se o bananicultor contar com informações obtidas através de avaliações periódicas que permitam ter uma noção clara e precisa do estado fitossanitário dos bananais para que as decisões relativas à necessidade de controle, ao momento adequado da aplicação, e aos métodos de controle integrado mais adequado, sejam corretas. Atualmente os métodos de amostragem que permitem o monitoramento da Sigatoka e a elaboração de avisos fitossanitários utilizam como parâmetro a incidência, a severidade e/ou estado evolutivo para descrever e quantificar o desenvolvimento da doença.

Dos diferentes métodos existentes (biológicos, meteorológicos, bioclimáticos e de imunodiagnóstico), um dos mais utilizados atualmente é o Pré-aviso Bilógico. Esse método se baseia na análise dos parâmetros biológicos vinculados à evolução da doença em relação à planta. Através dos estudos realizados pelos pesquisadores da Estação Experimental de Itajaí/Epagri, foi adaptado para as condições do Estado de Santa Catarina, tendo sido posteriormente difundido para as principais regiões produtoras de banana do Brasil em função dos excelentes resultados alcançados. É a principal ferramenta do “Sistema de Previsão para o controle da Sigatoka” adotado no Estado.

Estações de Monitoramento Biológico

O monitoramento biológico do estado de evolução da Sigatoka é feito semanalmente em uma área pré-determinada que permita ser considerada como representativa para o comportamento da doença numa propriedade, microbacia ou região (estação de monitoramento). Para cada estação de monitoramento biológico, são selecionadas 10 bananeiras possuindo inicialmente de 5 a 6 folhas verdadeiras. Essas plantas deverão estar distribuídas num sítio adequado que permita considerá-las como representativas do comportamento da doença para a área de abrangência da estação. As plantas selecionadas devem ser identificadas individualmente, normalmente através de uma fita plástica de cor vermelha ou de qualquer outra cor visível à distância, com seu respectivo número (de 1 a 10).

Metodologia de avaliação

O Estado de Evolução expressa o desenvolvimento da doença em função do hospedeiro. Por esse motivo devem ser monitorados o crescimento vegetativo da planta (emissão foliar), e os sintomas da doença (estágios de desenvolvimento). Ao iniciar a avaliação, na primeira leitura, a bananeira deverá ter cinco ou seis folhas verdadeiras. Nesta primeira leitura, e também nas subsequentes, serão observados o número total de folhas e o estágio de desenvolvimento da folha vela (fig. 6), que será anotado como fração decimal do número total de folhas emitidas.

Em seguida será observado o estágio da doença presente nas folhas II, III e IV (após a folha vela), juntamente com uma estimativa da quantidade de manchas para o respectivo estágio (+ para um número maior que 50 manchas, e – para um número menor que 50 manchas). Essas informações serão anotadas para cada planta, em uma planilha para dados de campo, em suas respectivas colunas (Anexo 1), e em uma régua de PVC ou fita plástica (fig.7) que deverá ser fixada semanalmente na base da nervura principal da folha I.

Para a sigatoka-amarela, nas condições climáticas de Santa Catarina, foram utilizados como referência os estágios descritos por Leach (Meredith, 1970). Em outras regiões, onde o outono e o inverno são menos rigorosos, podem ser utilizados como referência os estágios descritos por Brun (Ganry & La ville, 1982).

banana52
Fig. 03 – Estágios da folha vela

banana53
Foto 47 – Fita de monitoramento fixada na planta

Atualmente, para a sigatoka negra, estão sendo utilizados como referência os estágios descritos por Fouré (1982).

Normalmente, para as condições subtropicais brasileira, o aviso fitossanitário que determina a necessidade de controle da doença é dado com base na SOMA BRUTA (Anexo 1), visto que dificilmente nessa região a emissão foliar das bananeiras é superior a uma folha por semana.

Emissão do aviso

O fator que determina a tomada de decisão em relação à necessidade de controle, não é o nível de infecção na planta, e sim a evolução da doença. Por ser um sistema preventivo, todo aumento significativo da Soma Bruta precisa ser considerado, mesmo que os valores permaneçam relativamente baixos. Quanto menores os níveis de evolução, maior a sanidade do bananal, menor o número de aplicações e maiores os intervalos.

Interpretação dos resultados

Semanalmente os valores da Soma Bruta ou do Estado de Evolução são lançados em um gráfico (figura 8) para estabelecer uma curva, através da qual se faz o acompanhamento da doença com o objetivo de avaliar a situação fitossanitária do bananal e as perspectivas em relação à evolução da doença.

banana54
Fig. 04 – Gráfico da evolução da soma bruta.

A emissão do aviso fitossanitário pode ser realizada através de telefone, correio eletrônico e placas em vias públicas. A figura 9 representa o modelo desenvolvido pela Epagri: uma placa de zinco com plástico adesivo. Os números e os sinais (verde, amarelo e vermelho) são confeccionados em material imantado. O sinal verde representa ausência ou baixos níveis de infecção; o amarelo representa o alerta; e o vermelho representa a necessidade de controle imediato.

banana55
Fig. 05 – Placa de sinalização de aviso fitossanitário

Controle químico

Junto com o óleo mineral agrícola, são utilizados três tipos de fungicidas para o controle químico da Sigatoka: de contato, penetrantes e sistêmicos (Tabelas 1, 2 e 3 – Anexo1).

Óleo mineral 

O uso do óleo mineral agrícola na calda fungicida é recomendado por causa de suas propriedades físicas, que facilitam a dispersão uniforme sobre as folhas aumentando o período de contato e a absorção dos fungicidas penetrantes e sistêmicos na cutícula e pelos estômatos. Seu uso, puro ou em misturas (óleo + água + emulsificante + fungicida), permite reduzir o volume das caldas. O óleo mineral agrícola é também fungistático, pois inibe a germinação de conídios e ascoporos, e paralisa o crescimento do fungo temporariamente na superfície das folhas.

É preciso, porém, estar atento ao tipo e à qualidade do óleo mineral agrícola a ser utilizado. O óleo mineral agrícola recomendado para o controle da Sigatoka tem que ser parafínico e com baixo teor de enxofre. Óleos sulfonados, ou parafínicos com alto teor de enxofre, ricos em cadeias aromáticas, são fitotóxicos e formam uma película sobre a folha que permanece aderida por muito tempo, dificultando a respiração e a reconstituição da camada protetora natural de cera. Com isso, a produtividade do bananal cai no decorrer dos anos. A quantidade aplicada nas pulverizações deve ser somente a estritamente necessária e depende das condições locais de clima:

Ex: – Períodos normais: 5 litros de óleo + 15 a 20 litros de água + emulsificante + fungicida/ha.

- Períodos úmidos e chuvosos: 10 litros de óleo + 10 a 15 litros de água + emulsificante + fungicida/ha.

Fungicida de contato

São fungicidas que têm ação preventiva. Não curam a infecção estabelecida. Estes fungicidas não penetram na folha. Apenas protegem sua superfície como uma capa, inibindo a germinação dos esporos e o crescimento do fungo na superfície da folha prevenindo-a de novas infecções. Os ditiocarbamatos (mancozeb e maneb) e o clorotalonil podem ser utilizados de forma intercalada ou misturados aos sistêmicos para inibir a ocorrência de resistência aos princípios ativos fungicidas inibidores da biossíntese do ergosterol e estrobilurinas. O clorotalonil não pode ser aplicado com
óleo porque a mistura é fitotóxica.

Fungicida penetrante 

Tem como característica penetrar na folha da bananeira sem se deslocar no seu interior. O trifloxystrobin pertence ao grupo químico das estrobilurinas e tem ação preventiva e curativa. O tridemorph, pertencente ao grupo químico das morfolinas e tem ação preventiva. Seu modo de ação sobre o fungo é diferente dos demais fungicidas, o que praticamente elimina a possibilidade de ocorrência de resistência ao produto. É amplamente utilizado nos países exportadores de banana em alternância com benzimidazóis e triazóis.

Fungicidas sistêmicos 

Estes fungicidas penetram nas folhas e se deslocam pela seiva no seu interior. Têm ação preventiva e curativa. Os princípios ativos propiconazol, tebuconazol,fenbuconazol, cyproconazol, hexaconazol, fluzilazol e diniconazol pertencem ao grupo químico dos triazóis. Tiofanto metílico e thiabendazol pertencem ao grupo químico dos benzimidazóis. azoxystrobin pertence ao grupo das estrobilurinas.

Tecnologia de aplicação

É o conjunto de medidas com base técnica e científica, utilizado para promover a deposição correta de produtos biologicamente ativos sobre as folhas das bananeiras, em quantidade necessária, de forma econômica, com o mínimo de risco à saúde humana e ambiental. A aplicação consiste na deposição de gotas sobre as folhas das bananeiras e com tamanho e densidade adequadas ao objetivo proposto. É feita através da pulverização que é o processo de transformação da substância líquida em partículas ou gotas.

A tecnologia, o equipamento, a manutenção, a calibração e a ordem de mistura são, portanto, fatores primordiais para que a mistura e a aplicação sejam homogêneas. A mistura deve ser feita sempre em equipamentos especialmente desenvolvidos para esse fim (fig. 10), antes de ser depositada no tanque do equipamento de pulverização. Os tanques de mistura podem ser equipados com misturadores de alta velocidade (1700 rpm) ou bombas de recirculação.

banana56
Foto 48 – Equipamento para mistura de caldas fungicidas

Ordem de mistura de caldas fungicidas para o controle do mal-de-sigatoka

Para os fungicidas sistêmicos (exceto estrobilurina):

1- Verter no tanque misturador a quantidade de óleo mineral necessária.
2- Acrescentar o emulsificante na proporção de 1 a 2% do volume do óleo mineral.
3- Agitar no mínimo por 10 minutos.
4- Acrescentar o fungicida e a água.
5- Agitar no mínimo por 10 minutos.
6- Transferir para o tanque do pulverizador ou avião.

Para estrobilurina sistêmica:

1- Verter no tanque misturador a quantidade de óleo mineral necessária.
2- Acrescentar o emulsificante na proporção de 1 a 2% do volume do óleo mineral.
3- Agitar no mínimo por 10 minutos.
4- Acrescentar 80% do volume de água sem agitar.
5- Acrescentar a estrobilurina.
6- Agitar no mínimo por 10 minutos.
7- Transferir para o tanque do pulverizador ou avião.

Para os fungicidas protetores:

1- Verter no tanque misturador a quantidade de água necessária.
2- Acrescentar o fungicida.
3- Agitar no mínimo por 10 minutos.
4- Separadamente, num segundo tanque misturador, verter a quantidade de óleo mineral
necessária, acrescentando o emulsificante na proporção de 1 a 2% do volume de óleo
mineral e agitar por no mínimo 10 minutos.
5- Acrescentar o óleo mineral emulsificado à água com o fungicida.
6- Agitar por 15 minutos
7- Transferir para o tanque do pulverizador ou avião.
Com o objetivo de prevenir acidentes e visando a proteção do ambiente, os equipamentos e os procedimentos devem estar e ser realizados abrigados em pátios de descontaminação conforme a legislação federal.

Volume de calda e tamanho de gota

Para bananicultura, com o costal motorizado são utilizados 20 litros de calda por hectare, 40 com o canhão bananeiro e 20 com avião agrícola. Recomenda-se fazer aplicações em BV (baixo volume), sendo que a densidade de gotas deve ser de 20-30 gotas/cm² para fungicidas sistêmicos, e maior que 70 gotas/cm² para fungicidas de contato.

Dependendo das condições de temperatura e umidade relativa do ar no momento da aplicação, e do tamanho da gota, o líquido poderá desaparecer por evaporação antes de atingir a bananeira. É fundamental ajustar o volume de aplicação e o tamanho da gota, conforme as condições climáticas de cada região ou estação do ano, acompanhando constantemente a variação da temperatura e umidade relativa do ar. As aplicações devem ser interrompidas quando a velocidade do vento for superior a 10 km/h; quando a temperatura for superior 30°C; e quando a umidade relativa do ar for inferior a 55%.

Cuidados na aplicação

A aplicação dos tratamentos deve ser planejada de modo a evitar desperdícios e sobras. É importante calcular a dose a ser aplicada em função da área a ser tratada e não pelo número de plantas, que é uma prática comum entre os bananicultores. Ao fazer a tríplice lavagem, recomenda-se aproveitar a água para adicionar à calda fungicida. O pequeno volume de calda que sobrar no tanque do pulverizador deve ser diluído em água e aplicado nas bordaduras da área tratada ou nos carreadores.

Não jogar sobras ou restos de produtos em rios, lagos ou demais coleções de água. Cuidados na captação/abastecimento do tanque de mistura: qualidade de água e captação em local apropriado para evitar acidentes. O uso de equipamentos de proteção individual é obrigatório

Mal-do-panamá
Fusarium oysporum Schlect. f.sp. cubense (Smith) Snyder & Hansen

O mal-do-panamá ou murcha de fusarium é provocado pelo fungo de solo Fusarium oysporum f.sp. cubense encontra-se amplamente distribuído em várias regiões bananicultoras do mundo e se caracteriza pela grande capacidade em dizimar plantações em curto espaço de tempo. Entre as doenças de plantas tropicais, o mal-do-panamá se destaca em termos de perdas. No Brasil o cultivo da bananeira foi restrito a um pequeno número de cultivares resistentes. Essa prática põe em risco o futuro da bananicultura no País que fica sujeito à ocorrência do surgimento de raças como a ST4 e a TR4, já existentes na Ásia África e Austrália.

Essas duas doenças têm a capacidade afetar a grande maioria de cultivares existentes, inclusive os cultivares do subgrupo Cavendish (Nanica, Nanicão, Grande Naine e Williams). Além disso, esses cultivares têm um custo de produção elevado em função de maiores exigências em tratos culturais (adubação, controle de doenças e pragas) e menor remuneração porque são menos apreciadas pelo consumidor, que prefere os cultivares do grupo Branca e Prata.

Sintomas

As plantas contaminadas apresentam folhas com amarelecimento progressivo do limbo, que parte das bordas em direção à nervura central. Em seguida, as folhas murcham e, um ou dois dias após, dobram junto ao pseudocaule e secam. Este amarelecimento tem início nas folhas mais velhas, restando verdes apenas uma ou duas folhas jovens ou somente a vela. Podem ocorrer rachaduras longitudinais na base do pseudocaule, próximo ao rizoma. No estágio final, o pseudocaule permanece ereto, por um ou dois meses, coberto de folhas secas até se decompor e tombar.

O rizoma, no entanto, poderá ainda estar ativo produzindo brotações. As características dos sintomas internos podem ser observadas através de cortes no pseudocaule, rizoma e raízes. Ao fazer um corte transversal do rizoma, é possível observar os vasos condutores com uma coloração amarela associada ao crescimento micelial do fungo, que vai se tornando púrpura, passando para roxo e marrom à medida que a doença progride (fig. 11).

O corte longitudinal do rizoma permite observar a coloração amarela e marrom presente no tecido, inclusive no ponto de ligação entre a planta mãe e a brotação, evidenciando a contaminação da muda. Os mesmos sintomas podem ser encontrados no pseudocaule seccionado transversal ou longitudinalmente. No corte transversal a mudança de cor apresenta-se na forma de pontuações escuras e no longitudinal, apresenta-se em linha, seguindo os vasos até o ápice da planta.

banana57
Foto 49 – Rizoma de bananeira com sintomas de Mal do panamá

Controle

O mal-do-panamá não pode ser controlado por meio do uso de fungicidas. O solo, uma vez infestado com o fungo, não permite o cultivo de bananeiras suscetíveis à doença. A única forma de permanecer na atividade é com a utilização de cultivares resistentes. No entanto, algumas práticas podem ser utilizadas no sentido de retardar a ocorrência da doença ou diminuir temporariamente seus efeitos:

  • adubar o bananal sempre com base em análises de solo e foliar;
  • parcelar ao máximo as adubações;
  • evitar adubações nitrogenadas;
  • utilizar adubos orgânicos curtidos;
  • utilizar calcário dolomítico, sempre baseado nas necessidades indicadas em análise de solo, considerando, além da correção do pH, a necessidade da planta;
  • não utilizar herbicida ou enxada. Fazer roçadas;
  • utilizar o facão para o desbaste;
  • dar preferência ao plantio de mudas produzidas em laboratório.
  • Mudas produzidas em laboratório precisam ser aclimatadas em viveiro necessitando de um maior tamanho para o transplantio.


Doenças causadas por vírus 

Mosaico-da-bananeira
Vírus do mosaico do pepino
Cucumber mosaic vírus (CMV)

O vírus provoca infecções que se apresentam em forma de clorose e mosaico, podendo ser encontradas várias estirpes sob diferentes condições ambientais. Mesmo não causando grandes impactos, o vírus encontra-se amplamente distribuído em praticamente todas as regiões produtoras de banana do mundo e do Brasil, e pode causar prejuízos significativos em novos plantios.

Sintomas

Os sintomas dependem muito da estirpe de CMV envolvida no processo infeccioso, da temperatura do ambiente, assim como do genótipo do hospedeiro. Na folha, surgem inicialmente linhas pontilhadas paralelas às nervuras secundárias, de coloração verde clara ou amarela. Posteriormente se transformam-se em estrias cloróticas, e mosaico (Fig. 12). Essas estrias ou mosaico podem necrosar à medida em que a infecção evolui. Pode ocorrer engrossamento das nervuras das folhas e deformação de frutos e cachos. Em temperaturas inferiores a 24° C, podem surgir áreas necrosadas nas folhas, na folha vela, e no cilindro central. Nas regiões subtropicais a virose pode provocar a morte da bananeira.

O CMV é transmitido de modo não persistente por mais de 60 espécies de afídeos. Na bananicultura, Aphis gossypii, Rhopalosiphum maidis, R. prunifoliae, e Mysus persicae são as espécies mais importantes. Embora a bananeira não seja normalmente hospedeiro desses afídeos, a alimentação e infecção ocorrem durante o movimento migratório, quando seus hospedeiros preferenciais são destruídos. Encontram-se identificadas com hospedeiro, mais de 200 espécies cultivadas em 40 famílias, incluindo ervas daninhas e membros das Cucurbitáceas e Solanáceas.

Entre as ervas daninhas a Commelina diffusa destaca-se como fonte de inóculo para as bananeiras. Mudas de bananeiras produzidas através de cultura de tecidos também se caracterizam como tal, pois o vírus pode ser encontrado no meristema apical dos explantes. Portanto, mudas produzidas ‘in vitro’, também podem servir como hospedeiros na disseminação.

banana58
Foto 50 – Sintomas do ataque de CMV em folha de bananeira.

Controle

Mudas produzidas em laboratório têm que ser originadas a partir de explantes sem o vírus. Não realizar cultivo intercalar de cucurbitáceas e solanáceas que normalmente hospedam o vírus. Controlar as ervas daninhas hospedeiras no interior. Controlar as ervas daninhas ao redor do
bananal com antecedência para evitar que os insetos vetores migrem para a área cultivada. Destruir e remover imediatamente as plantas com suspeita de contaminação e desinfetar as ferramentas com hipoclorito ou calor.

Vírus-das-estrias-da-bananeira
Banana streak virus (BSV)

A importância econômica está relacionada, principalmente aos danos que provoca às plantas na área foliar, cacho, pseudocaule e rizoma; não permitindo uma sobrevida das touceiras maior que três ciclos; e às restrições em relação ao uso de materiais nos processos de hibridação, pela
ampla distribuição do vírus em vários genótipos.

O BSV (Banana streak virus) foi identificado no Marrocos em1986, causando infecções e danos consideráveis em Cavendish. Posteriormente surgiu em diferentes cultivares em vários países, e encontra-se amplamente distribuído na África, América Latina e Caribe, Ásia e Pacífico. A banana ‘Mysore’, oriunda da Índia, encontra-se contaminada em praticamente a sua totalidade por todas as regiões do mundo onde é cultivada.

Sintomas

Os sintomas dependem do isolado do patógeno, da cultivar hospedeira, e das condições ambientais, variando de uma simples mancha clorótica nas folhas à morte das plantas. O sintoma mais comum são estrias amarelas ou cloróticas que partem da nervura principal da folha até a sua margem (Fig. 13). Essas estrias podem escurecer evoluindo até a necrose do tecido.

No pseudocaule e na nervura principal podem ocorrer caneluras escuras, que quando cortadas, apresentam tecido necrosado de cor marrom escura e negra. Pode ocorrer constrição do pseudocaule na região da roseta foliar pela diminuição da distância dos “inter-nós”, impedindo a emergência normal do cacho, provocando aborto em diferentes pontos abaixo da roseta (Fig. 14); além de necrose da folha vela. O pseudocaule pode apresentar-se necrosado, e com a contaminação posterior por bactéria, os tecidos apresentam sintomas de podridão. Os cachos podem sofrer distorção no engaço e frutos. Nos frutos ocorrem manchas escuras sob a epiderme, que cortada apresenta necrose de tecido (Fig.15), e posterior ruptura da epiderme na forma de rachaduras.

Os badnavirus são normalmente disseminados por cochonilhas, destacando-se Planococcus citri, Pseudococcus sp., Dysmicoccus spp. (América do Sul), Planococcus musae (Nigéria), Pseudococcus comstocki (Equador) e Saccharicoccus sachari. Experimentos realizados para a inoculação por métodos abrasivos não obtiveram sucesso. Não há, portanto, ocorrência confirmada sobre contaminação mecânica através de ferramentas. Todas as plantas produzidas ‘in vitro’ a partir de explantes contaminados carregam o vírus. Como os sintomas só ocorrem em determinadas condições, principalmente de clima, grande parte da disseminação deste vírus ocorreu através da utilização de mudas contaminadas assintomáticas.

banana59
Foto 51 – Sintomas de BSV na forma de estrias cloróticas nas folhas.

banana60 banana61
Foto 53 – Necrose dos tecidos da casca dos frutos
Foto 52 – Aborto do cacho provocado por estrangulamento do pseudocaule

Controle

Mudas de banana micropropagadas contaminadas são atualmente a maior fonte de disseminação deste vírus. Portanto a estratégia de controle mais indicada é determinar que os laboratórios de micropropagação garantam a utilização de material genético livre do vírus. Em função da dificuldade encontrada na inspeção dos bananais, pela ausência de sintomas, recomenda-se um maior número visitas com esse objetivo, e atenção dobrada nos períodos mais frios, época em que os sintomas são mais evidentes.

Pelo fato de os sintomas serem parecidos com os de CMV, recomenda-se o acompanhamento de um técnico para maior segurança no diagnóstico. Normalmente, ao se encontrar mais de 10 plantas em 50 m², recomenda-se a destruição de todas as plantas nessa área. A presença de cochonilhas em áreas com sintomas da doença significa um alto risco de disseminação. Faz-se necessário efetuar o controle do inseto, antes de destruir as touceiras, para impedir sua migração para outras plantas.

Doenças causadas por bactérias

Moko
Ralstonia solanacearum (Smith) Yabuuchi et al.

A doença denominada Moko ou murcha bacteriana da bananeira tem a capacidade de provocar grandes danos em função da velocidade com que se dissemina, o mesmo ocorrendo com a infecção e colonização. O Moko é uma doença provocada pela bactéria denominada Ralstonia solanacearum, raça 2. Esta bactéria se constitui num grave problema para a Região Norte do Brasil, principalmente no Amapá e no Amazonas. Ataca a bananeira obstruindo o sistema vascular da planta e impedindo a absorção de água e nutrientes do solo.

O recente aumento do mercado de ornamentais, onde se observa uma expansão na comercialização de Heliconia spp, tem promovido em alguns países a disseminação do patógeno com sérios comprometimentos para a cultura da bananeira. No entanto, é preciso considerar que o Moko é uma doença que ataca ambos, Heliconia e Musa, e pode ser disseminado por material propagativo de ambas. No Brasil, foram constatados alguns focos na Paraíba e no Ceará, em 1972. Porém, a Ralstonia solanacearum isolada nesses estados era da raça 1, que provoca murcha na bananeira, mas com menor gravidade que a raça 2. Essa raça é generalizada em plantações de várzea no Amazonas e no Amapá.

Sintomas

O Moko ataca normalmente a maior parte dos cultivares de bananeira, contrastando com o mal-do-panamá, provocado pelo fungo Fusarium oxysporum f.sp. cubense, que no Brasil não ocorre nos cultivares do subgrupo Cavendish (‘Nanica’,’Nanicão’ e ‘Grande Naine’). Nos cultivares
suscetíveis a ambas, os sintomas são bastante parecidos, podendo-se observar externamente a murcha, e internamente o escurecimento dos vasos condutores. No entanto, ocorrem diferenças que permitem a identificação de uma e de outra.

Em plantas jovens, de crescimento rápido, os sintomas do Moko surgem na primeira, segunda ou terceira folha, se manifestando em forma de amarelecimento, seguido de murcha e quebra junto ao limbo foliar aproximadamente em quatro semanas. Os primeiros sintomas de murcha provocados pelo mal do panamá em plantas jovens só ocorrem quando a altura delas for superior a um metro e meio (com aproximadamente 4 meses de idade), atingindo as folhas mais velhas, sendo que a quebra se dá junto ao pseudocaule.

No interior do rizoma, no cilindro central, pode-se observar o escurecimento dos tecidos que se tornam pardo-amarelados, evoluindo para uma coloração que varia entre o marrom-escuro e negro, podendo ocorrer exsudação de pus bacteriano. O mesmo sintoma pode ser observado no
engaço. No pseudocaule de plantas não paridas, pode ser observado um escurecimento dos tecidos com exsudação de pus bacteriano (Fig. 16), que evolui para uma necrose aquosa na parte central que corresponde à gema apical, e culmina com a morte da folha vela.

Quando o ataque ocorre próximo à floração, o cacho emitido se torna raquítico com podridão de frutos (Fig. 17). Em plantas com cacho, a polpa das frutas torna-se enegrecida, seguindo-se uma maturação desuniforme e precoce do cacho A disseminação do Moko pode ocorrer por meio de mudas contaminadas, insetos, ferramentas de trabalho (enxadas, foices, facões, canivetes etc.), e água de chuva e de irrigação. O mal do panamá normalmente é disseminado somente por mudas contaminadas.

banana62 banana63
Foto 54 – Ataque de moko com exsudação de pus bacteriano Foto 55 – Podridão de fruto provocada por moko

Controle

As primeiras medidas de controle estão relacionadas às práticas que visam impedir a entrada do patógeno em áreas de cultivo, ou região. Em primeiro plano destaca-se a necessidade imperiosa de utilizar mudas de bananeira e ornamentais de procedência conhecida, com garantia de que
não estejam contaminadas. A utilização de herbicida nos bananais para o controle do mato evita danos ao sistema radicular, por onde o patógeno poderá penetrar. O ensacamento precoce dos cachos evita o contato com insetos vetores. O reconhecimento precoce da doença é fundamental, devendo-se destruir a touceira contaminada assim como as vizinhas com a injeção de herbicida.

Doenças de frutas 

Uma parte significativa da produção de bananas é perdida em função das doenças que atacam essa cultura e, dentre elas, destacam-se as doenças fúngicas em frutas.

Doenças pré-colheita

As doenças que se desenvolvem sobre as frutas na pré-colheita, exceto a ponta de charuto, raramente afetam a polpa. No entanto, causam danos consideráveis à casca, que prejudicam a aparência, comprometendo sua comercialização, porque reduzem o período de conservação da fruta após a maturação. Os cultivares mais suscetíveis pertencem ao subgrupo Cavendish.

Pinta-do-fruto 
Pyricularia grisea (Cooke) Sac.

A pinta-do-fruto, também conhecida como johnston spot, munheca, ou pitting disesase tem como agente causal o fungo Pyricularia grisea (Cooke) Sac.

Sintomas

A doença apresenta como sintomas característicos pintas redondas com aproximadamente 4 a 6mm de diâmetro, cujo centro deprimido apresenta-se circundado por uma zona de cor marrom-avermelhada, seguida de um halo verde-escuro encharcado. Seu centro pode partir-se no sentido longitudinal dos frutos (Fig.18). As lesões, embora com menor frequência, também ocorrem no pedicelo, nas coroas e folhas.

banana64
Foto 56 – Pinta-do-fruto em banana Cavendish

Controle

As principais medidas de controle são culturais e consistem na remoção constante das fontes de inóculo. Recomenda-se, portanto, realizar desfolha frequente do bananal, eliminação do coração e, em períodos chuvosos, quando houver ataque intenso, o corte da bráctea de transição.

O controle químico pode ser realizado nos cachos, antecedendo ao ensacamento. Caso a doença seja detectada, após o ensacamento, o cacho deve ser pulverizado com fungicida pela abertura inferior.

Ponta-de-charuto
Verticillium theobromae (Turconi) Mason & Hughes
Trachyisphaera, fructigena Tabor &Bunting.

Dois fungos encontram-se associados com mais frequência na ocorrência da ponta-de-charuto:
Verticillium theobromae (Turconi) Mason & Hughes, e Trachyisphaera, fructigena Tabor &Bunting.

Sintomas

A doença afeta um ou mais dedos das pencas ainda verdes. O fungo se instala na região pistilar, invadindo a seguir a casca e a polpa. O primeiro sintoma surge na casca, em forma de um anel negro que envolve a ponta da fruta, podendo atingir 2cm de comprimento. Com a emergência dos conidióforos, pela da epiderme, o tecido negro adquire a cor cinza, assemelha-se às cinzas da ponta de um cigarro ou charuto (Fig.19). A ponta-de-charuto ocorre com maior frequência em períodos de temperatura mais amena, com umidade relativa do ar alta, e, precedidos de intensas
precipitações.

banana65
Foto 57 – Frutos de banana com ponta-de-charuto

Controle

As principais medidas de controle são culturais. Recomenda-se a desfolha frequente dos bananais, despistilagem e a eliminação do coração. A prática do ensacamento deve ser cercada de precauções. Tem que ser precedida da despistilagem, que deve ser realizada até 15 dias após a completa abertura do cacho. No processo de embalagem é fundamental que se faça a despistilagem, seguida da eliminação dos frutos doentes presentes no cacho, para evitar a contaminação da água e dos tanques de lavação com esporos do fungo causador da doença.

As cultivares do subgrupo Cavendish têm se mostrado suscetíveis ao ataque desses fungos. Entretanto, a cultivar Nanica apresenta maior susceptibilidade que as cultivares Nanicão e Grande Naine. O controle químico no campo baseia-se na pulverização dos cachos com fungicidas antes do ensacamento. O controle químico de doenças pós-colheita impede sua ocorrência no transporte, nas câmaras de maturação e na comercialização.

Pinta-preta 
Deightoniella torulosa (Sydow) M. B. Ellis

A pinta-preta provocada pelo fungo, Deightoniella torulosa (Sydow) M. B. Ellis, encontra-se amplamente disseminada em todo o mundo nas regiões produtoras de banana.

Sintomas

As pintas, em grande número na superfície dos frutos, têm coloração marrom-avermelhada ou preta, são circundadas por um halo encharcado verde-escuro (Fig. 20), e medem entre 2 e 4mm de diâmetro. Esse fungo também pode infectar a região pistilar, invadindo a ponta da fruta que se torna preta. O fungo produz esporos sobre folhas mortas e flores da bananeira. Os esporos são disseminados pela água das chuvas. Ocorre, ocasionalmente, após períodos prolongados de precipitações intensas. Sua incidência é reduzida por meio de desfolhas, medidas que reduzem a umidade no interior dos bananais, fertilizações adequadas e nutrição equilibrada de manganês.

banana66
Foto 58 – Sintomas da pinta-preta em bananas

Mancha-diamante
Cercospora hayi Calpouzos

A mancha-diamante, também conhecida como diamond spot é provocada pelo fungo Cercospora hayi Calpouzos. É uma doença comum nas Américas Central e do Sul, no Caribe, México e Filipinas.

Sintomas

Os primeiros sintomas são pequenas manchas salientes de cor amarela, com 3 a 5mm de diâmetro, que se desenvolvem sobre os frutos verdes em época próxima à da colheita. As células contaminadas, impedidas de crescer, provocam o rompimento dos tecidos da casca no sentido longitudinal da fruta. Nesse estágio a mancha torna-se negra, envolvida por um halo amarelo. Com a necrose, a lesão torna-se pronunciada (1.0-3.5 x 0.5-1.5cm) e adquire a forma de um losango (Fig 21). A reprodução ocorre sobre restos foliares, após 16 horas de infecção em condições saturadas de umidade, a temperaturas que variam entre 23 a 26 oC.

O potencial de inóculo e o nível de infecção aumentam em períodos de altas precipitações. A disseminação ocorre pelo vento. As infecções podem permanecer latentes, e transformar-se em dano durante o transporte ou no processo de maturação. O controle baseia-se nos mesmos procedimentos utilizados no controle da pinta do fruto.

banana67
Foto 59 – Sintomas de mancha-diamante em bananas.

Doenças em frutas pós-colheita

As principais doenças pós-colheita das frutas são antracnose, podridão do colo e podridão da coroa. As perdas são significativas, ocorrendo principalmente na comercialização de bananas maduras com sérios prejuízos para comerciantes e consumidores.

Antracnose e podridão-do-colo 
Colletotrichum musae (Berk & M. A. Curtis)

A antracnose e a podridão-do-colo são doenças provocadas pelo fungo Colletotrichum musae (Berk & M. A.Curtis).

Sintomas

Em frutos verdes injuriados mecanicamente, as manchas de antracnose são de cor marrom-escura ou preta e apresentam um halo esbranquiçado. O tamanho pode ultrapassar 8x3cm. Quando se manifestam sobre as quinas, apresentam-se pontiagudas no sentido longitudinal dos dedos das pencas. As manchas aceleram o processo de maturação da fruta e, à medida que aumentam de tamanho, tornam-se deprimidas no centro, onde se formam acérvulos cobertos por uma massa de esporos de cor salmão ou de ferrugem (Fig. 22). Em frutos maduros, ocorrem manchas de cor café, que têm origem em infecções latentes produzidas no bananal e se manifestam no processo de maturação.

É comum nesse estágio ocorrer coalescência de manchas. A podridão-do-colo se manifesta nos pedicelos injuriados de frutas verdes, na forma de uma mancha aquosa e escura. Durante o processo de maturação, com o aumento da umidade, formam-se acérvulos sobre o tecido necrosado, cobertos também por massa de esporos de cor salmão ou de ferrugem (Fig. 23).

banana68 banana69
Foto 60 – Banana com sintoma de Antracnose. Foto 61 – Sintoma de podridão-do-colo.

Controle

A primeira e a mais importante etapa do controle é cultural. A desfolha frequente do bananal, com remoção de restos foliares, florais e do coração, é a principal forma de combater o inóculo em sua fonte. Frutos produzidos em cachos ensacados apresentam menor incidência de antracnose por estarem menos sujeitos a contaminações e danos provocados por insetos e ferimentos. O ensacamento precoce, feito com sacos tratados à base de inseticidas, é muito eficiente no controle do tripes da erupção, cujos danos são a principal porta de entrada para o C. musae.

O ponto de colheita também desempenha papel importante no controle, pois a incidência da doença é maior em bananas de maior calibre. No momento da colheita são recomendáveis práticas que impeçam toda e qualquer ação que provoque abrasão e escarificação da casca. No transporte, evitar a deposição dos cachos no chão, mas na impossibilidade, deve-se colocá-los de pé sobre as folhas verdes das bananeiras recém-cortadas. Nas carretas, utilizar espuma nas laterais, no fundo e entre os cachos. Não empilhar mais do que três camadas de cachos durante o transporte.

Quando houver lavação, depositar as pencas diretamente na água e tratá-las posteriormente com fungicidas. Dar preferência a embalagens descartáveis. O transporte de bananas a longas distâncias deve ser feito em carrocerias fechadas ou ‘containers’, de preferência sob refrigeração entre 13 a 14ºC. Na impossibilidade , utilizar lona de modo que forme uma cobertura em duas águas, impedindo a incidência direta do sol e permitindo a circulação de ar na carga. Durante o processo de maturação, a temperatura não deve ultrapassar 18ºC para as bananas do subgrupo Cavendish e 16ºC para as bananas do grupo Prata. O controle químico baseia-se na aplicação de fungicida em pulverizações ou imersões das frutas.
Os principais produtos utilizados pelos países exportadores são imazalil e thiabendazol.

Podridão-da-coroa 
Colletotrichum musae (Berk & Curt) var. Arx. 
Fusarium pallidoroseum (Cooke) Sacc 
Verticilium sp.

Os principais fungos envolvidos na ocorrência desta doença são Colletotrichum musae (Berk & Curt) var. Arx. e Fusarium spp., em particular Fusarium pallidoroseum (Cooke) Sacc, Fusarium moniliforme Sheld e Fusarium moniliforme var. Subglutinans Wr & Rg. Além desses, com menor incidência, outros fungos podem estar associados, destacando-se entre eles Ceratocystis paradoxa (Dade) C. Moureau e Verticilium thoebromae (Turconi) E. Masson & S. J. Hughers.

Sintomas

A superfície do corte na coroa torna-se enegrecida e sobre ela se desenvolve um crescimento micelial intenso nas cores branca (fig. 24), cinza e rosa. O apodrecimento vem em seguida e invade a coroa, tornando-se bastante pronunciado em frutas que permanecem em trânsito por mais de uma semana. Durante o processo de maturação, atinge os pedicelos e a polpa. Nesse estágio a penca debulha com facilidade. A doença é causada normalmente por um complexo de fungos e a predominância de um fungo em relação ao outro depende da região, época do ano e condições climáticas. As práticas que envolvem o processo de embalagem nas principais regiões produtoras, quando inadequadas, predispõem os frutos ao ataque desses fungos. Bananas embaladas a campo geralmente acusam índices elevados de podridão da coroa, quando as pencas, depois de separadas do engaço, são colocadas no chão sobre restos culturais contaminados.

banana70
Foto 62 – Sintomas de podridão-da-coroa.
Controle

As medidas iniciais, a exemplo daquelas utilizadas para o controle de pitting disease, baseiam-se na manutenção das condições fitossanitárias do bananal em bom estado. Quando a embalagem for efetuada a campo, as pencas, após o corte, devem ser depositadas na água em tonéis ou caixas de amianto. Essa água tem que ser substituída com frequência. Posteriormente, devem ser tratadas com fungicidas por meio de pulverizações ou imersão em outro recipiente.

Em propriedades que possuem casas de embalagem, recomenda-se a troca frequente da água dos tanques, a limpeza da área física com remoção de resíduos após cada turno de trabalho, e a manutenção de curvos e despencadores limpos e afiados. O controle químico consiste na aplicação de fungicidas por meio de pulverizações ou imersões. Os produtos tradicionalmente utilizados nos países exportadores de banana são thiabendazol e imazalil. Outras medidas, como a utilização de embalagens descartáveis e a assepsia das câmaras de maturação, são extremamente importantes.

Tabela 06 – Grade de Agroquímicos

Fungicidas utilizados na Produção Integrada de Banana – PIB

banana71

Tabela 07 – Fungicidas utilizados com restrição na Produção Integrada de Banana – PIB
banana72

Tabela 08 – Agroquímicos de uso geral utilizados na Produção Integrada de Banana – PIB
banana73

Tabela 09 – Agroquímicos utilizados em pós-colheita na Produção Integrada de Banana – PIB
banana74

Tabela 10 – Planilha de monitoramento
banana75

Manejo da banana na colheita e em pós-colheita

Luiz Alberto Lichtemberg e Ricardo José Zimmermann de Negreiros

A banana é uma fruta frágil, que exige grandes cuidados na colheita e no manejo pós-colheita. Quando não se adotam cuidados na colheita e pós-colheita, as perdas podem atingir de 40 a 60% da banana produzida, devido ao manejo inadequado e às consequentes podridões pós-colheita. Essas perdas ocorrem devido a danos desde a fase de cultivo até o manuseio da fruta na residência do consumidor.

• Manejo pré-colheita

Diversas práticas culturais que visam à proteção da fruta no campo, assim como práticas culturais que favoreçam o desenvolvimento dos frutos e o controle de pragas e doenças, melhoram a aparência da banana. Dentre as práticas que favorecem o desenvolvimento da fruta, podem ser citadas a adubação mineral e orgânica; o controle de pragas, doenças e plantas daninhas; a irrigação e drenagem; o desbaste dos filhotes; o uso de quebra-ventos, a poda de pencas; a poda do coração e o ensacamento dos cachos. Práticas que evitam o desfolhamento das plantas, como o controle do “mal de sigatoka”, o controle de ventos, o controle do frio, a irrigação e a nutrição mineral, além de permitir um melhor desenvolvimento do cacho, reduzem o descarte de frutos por queimaduras pelo sol, por maturação precoce e por tamanho reduzido.

Estas práticas também aumentam a “vida-de-prateleira” da banana. Outras práticas têm como objetivo a melhoria da aparência e a preservação da integridade dos frutos, evitando danos mecânicos, biológicos e climáticos. Dentre essas práticas, destacam-se o ensacamento dos cachos, o escoramento das plantas, a desfolha, a poda de pencas e do coração, a despistilagem, o desvio de cachos e de filhotes e a proteção dos frutos contra a insolação.

• Colheita 

Durante a colheita dos cachos, deve-se tomar uma série de cuidados para não comprometer todo o esforço empregado nas operações de pré-colheita. O corte do cacho muito magro ou muito gordo pode inviabilizar a sua comercialização. Os danos que podem ocorrer no momento da colheita prejudicam a aparência da fruta e provocam perdas por cortes, rachaduras, esmagamento e posterior podridão das frutas.

banana76
Foto nº 63 – Forma correta de colheita e condução do cacho

• Ponto de colheita

Em regiões tropicais onde existe uma boa uniformidade climática durante todo o ano, colhem-se os cachos entre 80 e 95 dias após o lançamento da inflorescência, segundo o destino da produção. Em clima subtropical como em Santa Catariana, com grandes variações climáticas entre e dentro das estações do ano, e entre diferentes anos, um cacho pode levar de 85 a 210 dias após a inflorescência para ficar no ponto de colheita. Podem também contribuir para a variação deste período, além das condições climáticas, os seguintes fatores:

  • Idade do bananal – Plantas de primeira safra, devido à maior luminosidade, apresentam um menor período floração-colheita. Com o aumento do tamanho das plantas e maior sombreamento do bananal, esse período aumenta.
  • Tipo de cultivar – Diferentes cultivares e clones apresentam diferenças na duração do período entre a floração e a colheita. Por exemplo, o cultivar Ouro atinge o ponto de colheita rapidamente, em relação ao ‘Nanicão’. A ‘Prata’ é mais tardia do que a ‘Nanicão’.
  • Tecnologia de cultivo – Juntamente com o clima e o solo, as práticas culturais determinam o estado fisiológico da planta.
  • Densidade de plantio – Influi na luminosidade dentro do bananal e na competição entre plantas.
  • Época ou estação do ano – Nos climas subtropicais ocorrem grandes variações climáticas que influem diretamente na velocidade de desenvolvimento do cacho. Em regiões com estação seca, a falta d’água reduz a velocidade de desenvolvimento do cacho.
  • Incidência de pragas e doenças – O desfolhamento da planta, decorrente do “mal-de-sigatoka”, por exemplo, causa a maturação precoce dos frutos.

Vários critérios podem ser utilizados para se determinar o ponto de colheita, porém os mais importantes são:

a) dias após o lançamento da inflorescência;
b) desaparecimento da angulosidade dos frutos;
c) diâmetro do fruto central da segunda penca.

• Corte dos cachos 

Para evitar danos, é recomendável que a colheita seja feita sempre em equipes, normalmente de três a quatro pessoas, sendo um cortador, um, dois ou mais aparadores/carregadores e um arrumador. O cortador calibra a fruta, dobra levemente a planta, corta o engaço e deposita os restos da planta nas entrelinhas do bananal. No momento em que o cortador separa o cacho da planta, um aparador já deve estar posicionado para recebê-lo no ombro, conduzi-lo para fora do bananal e depositá-lo no cabo aéreo ou numa carreta de transporte.

Os aparadores devem ter o ombro protegido por uma manta de espuma, câmara de ar ou por uma “padiola” almofadada para evitar danos aos cachos. A equipe de colheita conta ainda com um arrumador, que coloca material de proteção e acondiciona os cachos nas carretas de transporte. Após a colheita, é recomendável conduzir o cacho diretamente para o veículo transportador ou para os cabos aéreos de transporte. Em qualquer circunstância, deve-se evitar amontoar os cachos uns sobre os outros. Mesmo com os cuidados anteriormente citados, alguns danos ainda ocorrem na colheita em equipe.

Os restos florais duros e a ponta dos frutos causam ferimentos nos frutos das pencas imediatamente superiores, quando os cachos são transportados nos ombros dos carregadores. Por isso, colocam-se almofadas de espuma, poliuretano, plástico ou estopa entre as pencas para reduzir a pressão e o atrito no transporte.

banana77
Foto nº 64 – Colheita de cacho de banana

Transporte na lavoura

Esta fase é, talvez, a mais importante para a apresentação do produto. A maioria das pequenas batidas, pressões e atritos nas frutas ocorre durante o transporte e empilhamento dos cachos, o que resulta na presença de manchas escuras na casca da banana, após a maturação. Para evitar tais danos, devem-se adotar cuidados especiais no transporte, reduzindo o número de translados e evitando ao máximo o empilhamento dos cachos e o seu contato com o solo. Em Santa Catarina a principal forma de transporte dos cachos no bananal é por meio de carretas agrícolas acopladas a tratores.

Nas carretas, os cachos devem ser acomodados suavemente, evitando-se choques. O fundo da carroceria deve ser forrado com materiais de proteção, tais como colchões de espuma e plásticos aerados. Um procedimento recomendável na disposição dos cachos em carrocerias é colocá-los desencontrados de uma camada para outra, isto é, os cachos da camada superior devem ser colocados sobre os espaços entre os cachos da camada inferior.

banana78
Foto nº 65 – Transporte com proteção dos cachos

• Casas de embalagem

A casa de embalagem ou unidade de beneficiamento é o local onde os cachos vindos do bananal passam por uma série de processos que visam melhorar a aparência da banana a ser comercializada. Uma boa casa de embalagem deve facilitar os processos de despistilagem, despencamento, subdivisão de pencas (confecção de buquês), lavação, classificação, pesagem, tratamento antifúngico, colocação de selos de qualidade e embalagem da fruta.

Além de uma boa casa de embalagem, deve-se contar com pessoal treinado e cuidadoso em relação a equipamentos, manejo da fruta, limpeza do ambiente e uso correto das embalagens, para garantir uma boa qualidade final do produto. A casa de embalagem visa apenas à melhoria da aparência e conservação da fruta a ser comercializada, não sendo solução para danos ocorridos anteriormente.

*Processamento da fruta em casas de embalagem

• Recepção e estacionamento

Ao chegar do bananal, os cachos devem dispor de local à sombra, onde permanecem estacionados até o início do seu processamento. Neste local, que pode ser dentro ou fora da casa de embalagem, os cachos permanecem dependurados em cabos ou barras de ferro, por meio de ganchos com roldanas (garruchas). No local de estacionamento, pode ser feita a retirada dos sacos plásticos usados na lavoura, atando-os ao topo do engaço para evitar manchas de “cica” oriundas do corte durante a colheita. A área e a capacidade do estacionamento dependem da quantidade de cachos que chegam à embaladora e da velocidade de processamento.

banana79
Foto nº 66 – Estacionamento de cachos em casa de embalagem

• Retirada de detritos e despistilagem

A primeira operação no processamento da fruta na casa de embalagem é a retirada de detritos grosseiros, tais como frutos abortados, frutos podres, brácteas, pedaços de folha ou qualquer outro material aderido ao cacho. Logo depois é feita a despistilagem, que é a retirada dos restos florais existentes nas pontas das frutas. A velocidade de trabalho dos despistiladores deve estar sincronizada com a dos despencadores, de forma que haja um fornecimento contínuo de cachos a todos. Por outro lado, não pode haver um excesso neste fornecimento, o que causaria manchas nas frutas provocadas pelo secamento da “cica” exsudada na quebra do pistilo. A despistilagem é feita nos cachos dependurados nos cabos ou barras, próximo ao local de despencamento. Para manter a sincronia no trabalho são utilizados geralmente dois ou três despistiladores para cada despencador.

banana80
Foto nº 67 – Despistilagem de bananas em casa de embalagem

• Despencamento

O despencamento é realizado nos cachos dependurados, em frente aos tanques de lavação, com auxílio de um despencador giratório. O despencador faz o corte o mais próximo possível da ráquis, deixando aderida à penca o máximo de almofada possível. Nessa operação, o despencador deve ser auxiliado por outra pessoa, que apara a penca e a deposita cuidadosamente no tanque de lavação. No momento do despencamento, os principais cuidados são os seguintes: a) evitar ferimentos com a ferramenta nas pencas inferiores à que está sendo retirada; b) evitar queda das pencas no piso; c) evitar segurar a penca por um fruto, o que causará o defeito “colo roto” no pedúnculo do fruto; d) evitar choque das pencas com a parede dos tanques; e) evitar o choque entre pencas dentro dos tanques.

banana81
Foto nº 68 – Despencamento de cacho
de banana em casa de embalagem

• Lavação das pencas

Imediatamente após o despencamento, as pencas devem ser colocadas nos tanques de lavação. A lavação tem como objetivos: a retirada de impurezas, poeira e “cica” aderida às frutas; a cicatrização dos cortes e a floculação e precipitação da “cica” sobrenadante. Para a retirada de
impurezas, poeira e “cica” (antes de secar), o tanque deve conter um detergente diluído na água. Para a cicatrização dos cortes nas almofadas das pencas e para a floculação e precipitação de resíduos orgânicos (mantendo a água limpa na superfície) é utilizado o sulfato de alumínio.

Quanto ao tamanho dos tanques, recomendam-se os de maiores dimensões, pois permitem o processamento de maior quantidade de frutas por vez, evitando choques entre pencas e sua sobreposição. Num tanque pequeno (de 2.000 a 5.000 litros), é necessário realizar a troca da água mais frequentemente, embora as concentrações de detergente e de sulfato de alumínio sejam maiores. Um procedimento a ser adotado é o de manter o tanque com no máximo 75% de sua superfície coberta de frutas para evitar o choque entre as pencas quando elas são colocadas na água.

Para garantia de uma boa qualidade, os tanques devem ter no mínimo 3x3m, ou seja, 9m² de superfície. Os tanques de água corrente são mais indicados do que aqueles sem renovação de água, pois permitem o processamento contínuo de frutas, sem a necessidade de paralisação do trabalho para a troca da água. Normalmente, o tempo necessário para a completa paralisação da exsudação de “cica” é em torno de 20 minutos. Dessa forma, as pencas e buquês permanecem, no mínimo, durante esse tempo entre os dois tanques.

banana82
Foto nº 69 – Casa de embalagem funcional

• Tratamento antifúngico

Nas casas de embalagem em linha, as bandejas são postas sobre uma mesa roletada para eliminar o excesso de água aderida à fruta e seguem até o local do tratamento antifúngico. O tratamento antifúngico é utilizado para a desinfecção das frutas e para evitar podridões posteriores, dando maior tempo de conservação à fruta. O tratamento pode ser feito por imersão, pulverização ou nebulização. Os fungicidas utilizados para o tratamento de banana são thiabendazol, imazalil e biomassa cítrica. A imersão na calda fungicida pode ser feita no tanque de buquês, em tonéis de 200 litros ou em outro tipo de recipiente. Os tonéis devem ser colocados entre o tanque de lavação e a mesa onde são depositados os buquês para a embalagem.

banana83
Foto n° 70 – Tratamento antifúngico de pencas em casa de embalagem

• Embalagem da banana

Durante a embalagem das frutas, deve-se tomar como principais cuidados: usar embalagens adequadas; colocar o volume adequado de frutas para cada tipo de embalagem; dispor os buquês de acordo com a forma indicada para cada tipo de embalagem; evitar o ferimento das frutas nas paredes das embalagens; e utilizar materiais de proteção (plástico e papelão) para separação dos buquês dentro das caixas. Quando a banana é comercializada em buquês, a forma de acomodação varia segundo o tipo de embalagem e o tamanho dos frutos.

banana84
Foto nº 71 – Pesagem de caixa de banana em casa de embalagem

• Pré-resfriamento dos frutos

O pior defeito que pode ocorrer com a banana em pós-colheita é a maturação durante o transporte para o mercado. A redução da temperatura reduz a respiração da fruta, a sua atividade biológica e, consequentemente, a velocidade da sua maturação. Muitas vezes, a banana é colhida em temperaturas ambientais muito elevadas. Nesses casos, quanto mais cedo for a redução da temperatura da polpa da fruta, maior será o tempo de conservação da banana. A água de lavação das frutas, nos tanques, desempenha um primeiro papel no resfriamento. Neste caso, a temperatura da água, o comprimento dos tanques e o tempo de permanência da fruta na água são muito importantes. Quando o transporte é feito em carroceria frigorificada ou em contêiner frigorificado, a banana deve ser colocada em câmaras frias logo após a embalagem para a redução da temperatura ao nível da temperatura de transporte.

• Embalagens

Atualmente, dezenas de diferentes tipos de embalagens são utilizadas no comércio da banana no Brasil. Há grande diversidade de caixas para 10, 15, 18, 20, 23 e 25kg de banana madura, confeccionadas com madeira, fibra, plástico ou papelão. As embalagens para banana atualmente registradas no Ministério da Agricultura são apenas três tipos de torito e uma caixa de papelão. A embalagem plástica mais utilizada no Brasil é para 18kg de banana madura em buquês e tem dimensões internas de 515x325x295mm. Essas embalagens têm como vantagens o fácil manejo, a facilidade de circulação do ar durante a climatização, a possibilidade de lavação e desinfecção, além de serem retornáveis e apresentarem durabilidade. Suas desvantagens são o alto custo e o consequente prejuízo no caso de extravio e o custo de retorno no transporte. A embalagem de madeira ainda é muito utilizada no Brasil. Para 10kg de banana madura, possui dimensões internas de 500x370x170mm. Para 15kg, as dimensões são de 500x350x190mm e, para 18 kg, são de 500x350x290mm. Esta última é chamada de torito.

• Climatização da banana

Climatização é o processo de amadurecimento da banana através de câmaras de climatização. A maturação é realizada injetando-se um gás ativador dentro da câmara de climatização. A climatização da banana exige um controle de temperatura, umidade, concentração de gás e qualidade do ar dentro da câmara.

• Temperatura

A temperatura ideal para uma boa climatização é de 18°C para bananas do subgrupo Cavendish (Caturra) e de 16°C para bananas do subgrupo Prata (Branca), mas a climatização é possível numa faixa de 13 até 20°C.

• Umidade

A umidade relativa do ar dentro da câmara deve ficar entre 85 e 95%.

• Gás ativador

O gás recomendado é etileno. No comércio, o gás etileno é encontrado com os nomes comerciais de Aga-etil, Azetil e Etil 5. Esses produtos contêm cerca de 95% de nitrogênio e 5% de etileno. A concentração desses gases pode variar de 0,2 a 2% do volume de ar da câmara. Para bananas do subgrupo Cavendish normalmente usa-se cerca de 1%. Para bananas do subgrupo Prata, pode-se utilizar concentrações mais baixas.

• Qualidade do ar

No processo de climatização há acumulação de gás carbônico na câmara. O excesso de gás carbônico (acima de 1%) é prejudicial à qualidade da fruta. Para que a qualidade do ar seja boa é preciso eliminar o excesso de gás carbônico pela exaustão, renovando o ar da câmara de climatização. A exaustão é feita pelo exaustor. Dez a doze horas após a aplicação do gás ativador é realizada a primeira exaustão. A câmara de climatização é aberta e o exaustor é ligado. A câmara fica aberta por um período de 20 minutos. Após esse tempo, a câmara é fechada e é feita uma segunda injeção de gás. A cada 24 horas é feita uma nova exaustão, repetindo-se todo o processo anterior, sem necessidade de novas injeções de gás. Após as primeiras 36 horas, a própria fruta passa a produzir o gás ativador da maturação. Por essa razão, não se aplica gás após a segunda exaustão.

• Circulação do ar

O uso de circuladores de ar uniformiza o ar e evapora os filmes de água que se formam sobre as frutas.

• Tempo de climatização

O tempo de climatização depende da temperatura, concentração de gás usado e variedade da banana. A variação do tempo é de 36 a 60 horas, quando se quer banana no ponto para transportar a grandes distâncias. A banana nesse ponto está ainda verde, mas a casca solta-se com facilidade da polpa. Neste ponto a banana climatizada resiste bem ao transporte à distância de até 200 quilômetros. Quando a banana destina-se ao mercado local deve ser retirada da câmara no estágio de ponta verde. Neste estágio a casca tem a coloração amarela, mas conserva as duas pontas ainda verdes. Para atingir o estágio de ponta verde a climatização dura de 72 a 120 horas. O transporte não deve ser feito a distâncias maiores que 50 quilômetros. O tempo para o consumo é de dois dias após a retirada da câmara. Uma fruta bem cuidada e bem climatizada mantém boa qualidade no mercado por oito a dez dias.

• Câmara de climatização 

A câmara deve ter um bom isolamento para que se possa ter um bom controle de temperatura e umidade. Deve ter todos os equipamentos de controle de temperatura, umidade e injeção de gás. O ideal são câmaras com no máximo 10 toneladas de capacidade. Se o volume de frutas for maior, deve-se construir mais câmaras.

banana85
Fig. nº 06 – Modelo de climatizadora para bananas


Referências bibliográficas

ALVES, E.J. A cultura da banana: aspectos técnicos, socioeconômicos e agroindustriais. Brasília: Embrapa – SPI/ Cruz das Almas: Embrapa – CNPMF, 1997. 585p.

ALVES, E. J. Principais cultivares de banana no Brasil. Revista Brasileira de Fruticultura, v.12, n.3, p.45-61, 1990

BATISTA FILHO, A.; CAMARGO, L. M. P. C. De A. MYAZAKI, I.; CRUZ, B. P. B.; OLIVEIRA, D. A. Controle biológico do “moleque-da bananeira” (Cosmopolites sordidus Germar, 1824) pelo uso de fungos entomopatogênicos, no laboratório. O Biológico, São Paulo, v. 23, n. 3, p. 379-384, 1987.

BUSOLI, A. C.; FERNANDES, O.; TAYARA, O. Controle da broca da bananeira Cosmopolites sordidus Germar, Germar, 1824. (Coleoptera: Curculionidae) através dos fungos entomopatogênicos Beauveria bassiana (Bals) e Metarhizium anisopliae (Metschn) Sorokin (Hiphomycetes). Anais da Sociedade Entomológica do Brasil, v. 18, p. 33-41, 1989 (suplemento).

COMISSÃO DE QUÍMICA E FERTILIDADE DO SOLO – RS/SC – CQFS – RS/SC. Manual de Adubação e de Calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. 10 ed. Porto Alegre: SBCS – Comissão de Química e Fertilidade do Solo, 2004. 394 p.

FANCELI, M. Pragas da bananeira e seu controle. In: Simpósio Brasileiro sobre Bananicultura. 1. ed. Ruggiero, C. Anais, Jaboticabal : Funep/Fapesp., 2001, p. 326-366.

FEAKIN, S.D. Pest control in bananas. Pans Manual No.1. 3.ed. Centre for Overseas Pest Research, London, UK, 1977. 126p.

GIANNOTTI, 0; OLIVEIRA JR, B. S.; TONEDA, T.; FELL, D. Obervações gerais sobre o desenvolvimento e comportamento sexual do lepidóptero Opogona scchari (Bojer,1856) em laboratório. Arquivo do Instituto Biológico, São Paulo, v. 44, n. 4, 209-212, 1977.

HINZ, R. H.; LICHTEMBERG, L. A.; MALBURG, J. L.; SCHMITT, A.T.; DESCHMPS, F. C. Normas Técnicas e Documentos de Acompanhamento da Produção Integrada de Banana. Florianópolis, Epagri: 2005. P. (Epagri. Nº 222)

IBGE – Produção Municipal e Levantamento Sistemático da Produção Agrícola – Disponível em
http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/agropecuaria/lspa/default.shtm. Acesso em fev. de 2012.

IONEDA, T.; FELL, D.; GIANNOTTI, O.; OLIVATI, J. Estudos preliminares sobre o ferômonio sexual da traça da banana, Opogona sacchari (Bojer,1856) Arquivo do Instituto Biológico., São Paulo, v. 28, p.1-12, 1993.

LICHTEMBERG, L. A.; MALBURG, J. L.; SCHMITT, A. T.; HINZ, R. H.; ZAFFARI, G. R.; SALVADOR, J. XI Curso de Bananicultura. Florianópolis, SC: Secretaria de Agricultura e Abastecimento – EPAGRI, 1999. 175 p.

LICHTEMBERG, L. A. Ensacamento do cacho da banana no campo. Informativo SBF, Itajaí, v.15, n.3, setembro, 1996.

LITCHEMBERG, L. A; HINZ, R. H.; STKER, H.; MARCON, I. T.; SALVADOR. Efeito do ensacamento de produtos químicos sobre pragas do cacho de banana Cavendish. In: XVII REUNIÂO INTERNACIONAL DA ACORBAT., Santa Catarina, Joinvile, 2006, Anais .., Acorbat, p. 808.

MESQUITA, A. L. M. & COELHO JÚNIOR, E. Biologia do pulgão da bananeira, Pentalonia nigonervosa Coq. I. Forma áptera. Cruz das Almas: Cruz das Almas. Embrapa-CNPMF, 1983, 8p. (Boletim de Pesquisa, 2).

MILANEZ, J. M.;HINZ, R. H.;SILVA, C. M. Aspectos biológicos da traça-da-bananeira. Agropecuária Catarinense, Florianópolis, v. 24, n. 3, p. 92-94, 2011.

MILANEZ, J. M.;HINZ, R. H.;SILVA, C. M. Eficiência de óleos vegetais e do fungo entomopatogênico Beauveria bassiana no controle do meleque-da-bananeira. Agropecuária Catarinense, Epagri, v. 22, n. 2, p. 81-84, 2009.

MILANEZ, J. M.;LICHTEMBERG, L. A.;COSTA, L. F.;MESS, A.;HINZ, R. H. . Efeito do ensacamento do cacho da bananeira e de inseticidas no controle do trips-da-erupção-do-fruto Frankliniella brevicaulis (Thysanoptera: Thripidade). Agropecuária Catarinense, Florianópolis – Sc, v. 23, n. 1, p. 88-90, 2010.

MONTEIRO, R. C. Estudos taxonomicos de tripes (Thysanoptera) constatados no Brasil, com ênfase no gênero Frankliniella. Piracicaba, 1999, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz 144p.(Tese de Doutorado) .

MOREIRA, R. S. Banana: teoria e prática de cultivo. 2. Ed. São Paulo: Fundação Cargill, 1999. (CDROOM)

MOREIRA, R. S. Banana: Teoria e prática de cultivo. Fundação Cargill, Campinas, SP. 1987. 335p.

REIS, P. R.; SOUZA, J. C. de. Principais pragas da bananeira. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, v.12, n.133, p.45- 55, 1986.

SUPLICY FILHO, N. & SAMPAIO, A. S. Pragas da bananeira. Biológico, São Paulo, v.48, n. 7, p. 169-182, 1982 (Divulgação Técnica).