Apicultura

BTN_Download-58px Baixe aqui - Cartilha sobre Monitoramento e controle do ácaro Varroa destructor em colmeias de abelhas Apis mellifera BTN_Download-58px Baixe aqui - Folder sobre Alimentação para abelhas Apis mellifera
BTN_Download-58pxBaixe aqui - Cartilha sobre Produtos das abelhas
BTN_Download-58pxBaixe aqui – Informações técnicas sobre o pequeno besouro das colmeias
BTN_Download-58pxBaixe aqui – Produção e Beneficiamento da Própolis
BTN_Download-58pxBaixe aqui – Calendário de manejos na apícultura
BTN_Download-58pxBaixe aqui - Calendário apícola
BTN_Download-58pxBaixe aqui - Substituição de rainhas em colmeias de Apis mellifera

 

MEL

Entende-se por mel o produto alimentício produzido pelas abelhas melíferas a partir do néctar das flores e de secreções de partes vivas de certas plantas ou de secreções de insetos sugadores de plantas, que vivem sobre algumas espécies vegetais e que as abelhas recolhem, transformam, combinam com substâncias específicas próprias, armazenam e deixam maturar nos favos da colmeia. O produto foi assim definido em 1993 pelo Mercosul.

O sabor, aroma, cor e densidade variam de acordo com as flores das plantas que forneceram o néctar, classificando-o em diversos tipos pela sua origem botânica. A variação na cor do mel é influenciada pela concentração de minerais – quanto mais escuro, maior é a quantidade de minerais presentes.

O mel é um dos alimentos mais completos da natureza, sendo que a composição varia muito conforme a origem floral:

Açucares: (valores médios)

  • 38,19 – Frutose
  • 31,28 – Glicose
  • 1,31% – Sacarose
  • 7,31% – Maltose

 

Vitaminas: B. B1, B2, B5, B6, BC, C, G, H, PP.

  • Minerais: Cálcio, Ferro, Fósforo, Enxofre, Potássio, Cloro, Sódio, Magnésio, Silica e Cobre, entre outros.
  • Ácidos: Málico, Propiônico, Láctico e Fórmico, entre outros.

Pela sua composição alguns cuidados são essenciais para o consumidor, para que não se perca o valor nutricional do mel:

Validade:

O mel não se conserva por muitos anos, como muitas pessoas pensam. O que se mantém são os minerais e açucares, porém os ácidos e vitaminas se perdem. Além de reações químicas que ocorrem no mel, portanto, deve ser observada a validade que a legislação define e confiar nos produtores idôneos que observam a validade.

Cristalização:

É um processo natural que ocorre quando o mel é mantido em baixas temperaturas, sendo que a cristalização também depende da origem floral do mel, podendo ser mais rápida ou mais lenta. Existe também variação do tamanho dos cristais, conforme a origem floral, variando de uma composição parecida com um creme de leite a cristais maiores parecidos com açúcar cristal.

A cristalização é um indicativo de que realmente o mel é puro e auxilia na conservação. Se o consumidor preferir o mel em forma líquida poderá fazer a descristalização em banho maria, contudo, a temperatura não poderá ultrapassar os 50ºC, caso contrário vários componentes do mel sofrerão  volatização.

Armazenagem:

O mel deverá ser armazenado em local com temperatura amena, pouca luminosidade, bem fechado e longe de produtos com odores fortes, como produtos de limpeza e combustíveis, entre outros. Isso porque o mel assimila facilmente odores, assim como umidade do ar, perdendo suas características e podendo entrar em processo de fermentação. A questão da umidade é fundamental, pois o mel possui um alto poder higroscópico, ou seja, absorve facilmente a umidade do ar o que compromete sua qualidade. Sob altas temperaturas também ocorre uma reação química com produção de HMF (hidroximetilfurfural) que é um indicador de qualidade do mel e indesejável.

 

POLÉN

É o elemento masculino das plantas, responsável pela fecundação das flores. O pólen, além de ser a fonte de proteína que as abelhas necessitam, é um fortificante natural, recomendado para restabelecer o equilíbrio nutricional do organismo humano. Seu sabor, sua composição e sua coloração são características que variam conforme a origem floral. Pela sua composição e teor de água é necessário que após a coleta nas colmeias, seja mantido sob refrigeração ou secado.

Composição média do pólen:

  • Água = 12 a + de 20%
  • Proteínas = 7 a 35% dependendo da origem floral
  • Açúcares = 25 a 48 %
  • Lipídios = 1 a 25 %
  • vitaminas e sais minerais

O pólen é muito utilizado na composição de alimentos, mas seu maior consumo é in natura, como suplementos alimentar.

PRÓPOLIS 

O nome propólis tem sua origem no prefixo grego PRO, que significa “antes ou em prol”, e o sufixo POLIS, que quer dizer “cidade” ou “povoado”.

Substância colhida pelas abelhas das cascas, brotos e folhas de determinadas plantas ao ser manipulado pelas abelhas é adicionado pólen, cera e enzimas. É utilizado como material de construção e proteção da colmeia e como desinfetante dos favos de cria. Tem ação cicatrizante, desinfetante e antimicrobiana, sendo utilizada como medicamento em forma de comprimidos, solução liquida, cremes e pomadas.

Composição média

  • 50 – 55% resinas com bálsamo de composição aromática;
  • 30 -40% cera;
  • 5 – 10% pólen;
  • Além de outros óleos étricos;
  • Gordura;
  • Ácido Amínico;
  • Ácido Orgânico.
  • Vitaminas, enzimas e sais minerais.
(Fonte:  Ernesto Ulrich Breyer -Abelhas e saúde).

Assim como outros produtos existe muita variação tanto na coloração como na composição da própolis, em função das plantas onde ela foi coletada pelas abelhas. É importante lembrar que o consumidor deve adquirir de fornecedores idôneos e siga as recomendações de uso.

GELEIA REAL

É o alimento produzido pelas abelhas nutrizes para alimentar as larvas jovens e a rainha. Possui coloração branca leitosa, sabor e odor forte ácido e consistência cremosa. É considerada um dos melhores estimulantes biológicos, com ação energética, regeneradora e fortalecedora do sistema imunológico.

  • Composição média da Geleia Real:
  • Água = 65%
  • Açúcares = 15%
  • Proteínas = 10%
  • Gorduras = 6%
  • Substâncias indeterminadas = 3%
  • Enzimas, sais minerais e vitaminas

A geleia real é encontrada no mercado normalmente em duas formas: puro e in natura, quando deve ser mantido sob refrigeração e liofilizado, nesta forma em cápsulas e comprimidos. Normalmente seu consumo indicado é sublingual, pois se ingerido a acidez estomacal faz com que vários componentes sejam perdidos.