• A análise de solo tem como objetivo principal quantificar em Laboratório algumas características químicas e físicas, o que permite a recomendações de insumos mais eficientes e a avaliação do período de plantio de culturas anuais com base no Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC)*.

    Entre as vantagens das análises de solo podemos destacar o baixo custo, a rapidez e a possibilidade de enviar amostras ao laboratório o ano todo.

    Análise química do solo e recomendação de insumos
    Esta análise objetiva indicar os níveis de nutrientes no solo, permitindo a interpretação, pelo agente de ATER e, a Recomendação de Insumos para aumentar a eficiência técnica e econômica de determinada cultura. A realização da análise em períodos regulares, possibilita monitorar e avaliar as mudanças de nutrientes no solo além do impacto da atividade agropecuária e eficiência das calagens e/ou adubações realizadas em cada gleba.

    A recomendação de insumos pode sugerir um programa de correção e manutenção da fertilidade do solo, levando em conta duas questões básicas: as necessidades de nutrientes da cultura e cultivar, visando a um produto de melhor qualidade ou preços dos insumos visando ao aumento de lucratividade.

    Análise física (granulométrica) do solo
    Esta análise objetiva quantificar a proporção dos constituintes sólidos do solo em areia, silte e argila. Essa diferenciação possibilita conhecer o potencial de uso e manejo do solo na área, como por exemplo, a disponibilidade de água para as plantas, risco de erosão e potencial de mecanização, entre outros. A classificação em tiposde solo, existentes no laudo de análise permite a avaliação do período de plantio de culturas anuais com base no ZARC*.

    Época de realização da coleta do solo

    • A coleta deve ser realizada após o término da colheita da última cultura plantada na área.

    • O resultado da análise e a recomendação de adubação e calagem deverão estar nas mãos do produtor antes do período recomendado para plantio da cultura.

    • Para cultivos que possam requerer calagem, recomenda-se coletar a amostra 120 dias antes do plantio.

    Coleta do solo
    A coleta do solo é importante, pois, a quantidade de solo que chega ao laboratório é uma pequena fração da área amostrada. Sendo assim, essa fração precisa representar o todo da melhor forma.

    Composição da amostra e amostragem
    Para que a amostra represente bem o solo, é importante observar os procedimentos abaixo:

    - Identificar as glebas da propriedade observando as diferenças em relação a cor do solo, profundidade, declividade, quantidade de pedras, características de vegetação, textura (se a terra é barrenta, arenosa ou média), posição da gleba no relevo (topo, encosta, baixada) e, histórico de utilização e adubação.

    - Dispor de várias ferramentas para a coleta desde que estejam limpas e sem resíduos de terra, adubo, esterco, cimento, entre outros;

    - Deve-se limpar a superfície do solo, removendo a vegetação e os resíduos de decomposição de material vegetal

    • Análise química: é recomendada a coleta em dez a quinze pontos de amostragem por gleba, sendo o material misturado para compor uma amostra a ser enviada ao laboratório. Quanto mais pontos, mais representativa a amostra, garantindo mais confiabilidade ao laudo de análise. A quantidade a ser enviada ao Laboratório é de cerca de 500gramas de solo seco à sombra.

    •Análise física: é recomendada a coleta em três a quatro pontos de amostragem para compor a amostra a ser enviada ao laboratório. A quantidade a ser enviada ao laboratório deve ser de cerca de 400gramas de solo seco à sombra.

    - Profundidade de Amostragem

    • Análise química:
    Nas áreas cultivadas com culturas anuais, como milho, feijão, soja e forrageiras, a profundidade de amostragem é de 20cm, devido à concentração de raízes nessa camada.

    Para o plantio direto, ou cultivo mínimo, em que o solo é pouco revolvido, o adubo permanece na camada superficial do solo de 0 a 5cm, podendo chegar até 10cm. Desta forma, em cada ponto de amostragem é necessárias duas camadas, uma de 0 até 10cm e a outra de 10 a 20cm.

    Em culturas perenes, como fruteiras e essências florestais, deve-se também coletar em duas camadas em cada ponto de amostragem: uma de 0 a 20cm e outra de 20 a 40cm, antes da implantação da cultura. Para reavaliar as condições de fertilidade de solo, depois das culturas implantadas, deve-se coletar amostras de até 20cm de profundidade na periferia da projeção das copas das plantas.

    As ferramentas a ser utilizadas para a coleta de análise química são:

    - pá reta, com o seguinte procedimento: abrir uma trincheira (ou buraco) até a profundidade necessária, retirar uma fatia de solo com 5cm de espessura, desprezar as laterais, mantendo a parte central com 5cm de largura e a altura conforme indicado acima, dependendo da condição do cultivo. Cada fatia de solo retirada vai sendo colocada no balde até completar o número necessário de subamostras.

    - trado, com o seguinte procedimento: introduzir o equipamento no solo em movimento giratório até a profundidade que se deseja amostrar e retirá-lo sem girar, evitando perder o solo amostrado e colocar as subamostras em um balde.

    • Análise física:
    A amostragem é realizada em até 50cm de profundidade. A ferramenta recomendada é a pá reta, e o procedimento é abrir uma trincheira (ou buraco) de até 50cm, retirar uma fatia com 5cm de espessura, desprezar as laterais mantendo a parte central de 10cm de largura e 50cm de comprimento da fatia. Cada fatia de solo retirada vai sendo colocada em um balde até completar o número necessário de subamostras.

    Preparo da amostra
    Com o solo dos pontos coletados no balde, a amostra deve ser destorroado tanto quanto possível, misturando bem as subamostras. Quando o solo estiver bem misturado, separar o dobro da quantidade necessária (aproximadamente 1 kg) e secar o solo à sombra em cima de material inerte (plástico, papel ou papelão, não pode ser jornal) e sem resíduos (adubo, esterco, cimento, entre outros).

    Envio da amostra ao laboratório
    Depois de secar o solo, embalá-lo em saco plástico limpo, seco e sem resíduos, etiquetar e levar ao posto de coleta mais próximo.

    - Identificação da amostra
    Junto com o solo, colocadas do lado de fora da embalagem, devem ser enviadas as seguintes informações para o laboratório:

    ° identificação do agricultor (nome e número do CPF);
    ° identificação da propriedade (nome da propriedade, endereço, comunidade, município);
    ° identificação da amostra (nome ou número da gleba, profundidade da coleta, tamanho da área, plantio anterior, etc.).


    Onde obter informações:

    Laboratórios de Análises Químicas do Solo e Física (Granulometria)

    Epagri/Cepaf – Chapecó – SC

    Fone: (49) 2049-7510 e (49) 2049-7570

    E-mail: labsolosch@epagri.sc.gov.br

    http://solosch.epagri.sc.gov.br/

    Laboratórios de Análises Químicas do Solo

    Epagri/EEI – Ituporanga – SC

    Fone: (47) 3533-8832

    E-mail: labsolosit@epagri.sc.gov.br

  • Centro de Pesquisa para Agricultura Familiar – Cepaf – Chapecó –SC

    1. Análises:
    a) Em Amostras de Solo

    • Química Básica (R$ 30,00): Conforme metodologia descrita em Tedesco et al., 1995 (padrão da ROLAS).
      Elementos Analisados: Matéria orgânica, Argila, pH H2O, pH SMP, P disponível (Mehlich), K trocável (Mehlich), Al, Ca e Mg trocáveis.
    • Micronutrientes: Conforme metodologia descritas em Tedesco et al., 1995;
      1. Cobre (Cu) + Zinco (Zn) + Ferro (Fe) + Manganês (Mn) : R$ 20,00
      2. Cobre ( Cu ) + Zinco ( Zn ) : R$ 10,00
      3. Boro ( B ) : R$ 15,00
      4. Enxofre ( S ) R$ 15,00
    • Física (granulométrica): Conforme metodologia descritas em Embrapa et al., 1997 e Klein, 2008
      1. Argila, silte e areia: R$25,00
    • Outras:
      1. Enxofre: ( S ) : R$ 15,00
      2. Nitrogênio Total : R$ 15,00
      3. Carbono Orgânico : R$ 15,00
      4. Condutividade elétrica (R$ 5,00): Conforme metodologia descritas em Tedesco et al., 1995;

    b) Análise de Fertilizantes (orgânicos e minerais): conforme metodologia do MAPA, 2014 e Tedesco et al., 1995.

    • Básica : R$ 65,00
      Elementos Analisados: pH, umidade, N, P2O5, K2O, Ca e Mg
    • Micronutrientes : R$ 20,00
      Elementos Analisados: Cobre (Cu), Zinco (Zn), Ferro (Fe) e Manganês (Mn)
    • Nitrogênio Total : R$ 15,00
    • Carbono Orgânico : R$ 15,00
    • Análise de Corretivos de Acidez: conforme metodologia do MAPA, 2014. R$ 50,00
      Componentes e Elementos Analisados: granulometría, PN, ER, PRNT, CaO, MgO, Cd, Pb

    2. Endereço:
    Epagri – Centro de Pesquisa para Agricultura Familiar – Cepaf
    Laboratório de Análises de Solos
    Serv. Ferdinando Tusset, s/n – Bairro São Cristóvão
    Caixa Postal 791
    CEP 89801-970 – Chapecó – Santa Catarina – Brasil

    3. Contato:
    Evandro Spagnollo e/ou Terezinha Prokoski e/ou Idalida da Costa
    email: labsolosch@epagri.sc.gov.br; tprokoski@epagri.sc.gov.br
    Telefone: (49) 2049-7570 e (49) 2049-7581
    Responsável Técnico: Evandro Spagnollo

    4. Cobrança e remessa de amostras:

    A cobrança é feita na entrega da amostra no balcão ou por solicitação
    prévia com quitação do boleto bancário antes do envio das amostras.

     

    5. Referências Bibliográficas

    • EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. Manual de métodos de análise de solo. CNPS. 2.ed., 1997. 212p.
    • KLEIN, V. A. Física do solo. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, 2008. 212p.
    • MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO – MAPA. Manual de métodos analíticos oficiais para fertilizantes minerais, orgânicos, organominerais e corretivos / Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Coordenação-Geral de Apoio Laboratorial; Murilo Carlos Muniz Veras (Org.) – Brasília : MAPA/SDA/CGAL, 2014. 220 p.
    • TEDESCO, M. J.; GIANELLO, C.; BISSANI, C.A.; BOHNEN, H.; VOLKWEISS, S.J. Análise do solo, plantas e outros materiais. 2ed. Porto Alegre: UFRGS, 1995. 174 p.

  • Estação Experimental de Ituporanga – Ituporanga – SC

    1. Análises:
    1. Em Amostras de Solo

    • Química Básica (R$ 30,00): Conforme metodologia descritas em Tedesco et al., 1995 (padrão da ROLAS) e Embrapa.
      Elementos Analisados: Matéria orgânica, Argila, pH H2O, pH SMP, P disponível (Mehlich), K trocável (Mehlich), Al, Ca e Mg trocáveis.
    • Micronutrientes: Conforme metodologia descritas em Tedesco et al., 1995;
      1. Cobre (Cu) + Zinco (Zn) + Ferro (Fe) + Manganês (Mn) : ( R$ 20,00)
      2. Cobre ( Cu ) + Zinco ( Zn ) : R$ 10,00
      3. Ferro Amorfo (oxalato, Feo) : R$ 15,00
      4. Boro ( B ) : R$ 15,00
      5. Enxofre ( S ) R$ 15,00
      6. Nitrogênio (N) : R$ 15,00
      7. Sódio (Na): R$ 15,00

    2. Endereço:
    Epagri – Estação Experimental de Ituporanga. Laboratório de Análise de Solo.
    Lageado Águas Negras -CP 121 – CEP 88400-000. Ituporanga – SC.

    3. Contato:
    Cristiano Mora e/ou Lúcia A. Sens Alves
    email: labsolosit@epagri.sc.gov.br ; lucia@epagri.sc.gov.br
    Telefone: (47) 3533-8821 e (47) 3533-8832
    Responsável Técnico : Cristiano Mora

    4. Cobrança e remessa de amostras:

    A cobrança é realizada na entrega da amostra no balcão ou por solicitação prévia, através do pagamento de boleto bancário
    emitido pelo laboratório, antes do envio das amostras.

     

  • Estação Experimental de São Joaquim – São Joaquim – SC

    1. Análises:
    1. Análise de Solo Básica: Conforme metodologia descritas em Tedesco et al., 1995 (padrão da ROLAS) e Embrapa 1999.
    a) Básica (R$ 30,00) : Matéria orgânica, Argila, pH H2O, pH SMP, P disponível (Mehlich), K trocável (Mehlich), Al, Ca e Mg trocáveis.

    2. Endereço:
    Epagri – Estação Experimental de São Joaquim. Laboratório de Análise de Solo.
    Endereço do Lab.: Rua João Araújo Lima, 102. Bairro Jardim Caiçara, CP 81. São Joaquim – SC.

    3. Contato:
    Marlise Nara Ciotta
    email: marlise@epagri.sc.gov.br;
    Telefone: (49) 3233-8411
    Responsável Técnico : Marlise Nara Ciotta

    4. Cobrança e remessa de amostras:

    As amostras poderão ser entregues no Laboratório de Solos na Estação Experimental de São Joaquim ou em um dos Escritórios Locais da regional da Epagri. O pagamento é realizado no momento da entrega/protocolo da amostra de solo no laboratório ou da entrega nos respectivos locais indicados, via boleto bancário.