Produtores conhecem os benefícios da energia fotovoltaica para a pecuária de corte

gravatal3Pecuaristas, técnicos, estudantes e autoridades dos municípios de Armazém, Pescaria Brava, Capivari de Baixo, Paulo Lopes, Imaruí, Laguna, Jaguaruna, Tubarão e Gravatal, participaram de um dia de campo regional sobre pecuária de corte na propriedade de Sérgio Bez da Silva, no município de Gravatal. O evento, organizado pela Epagri em dezembro, reuniu cerca de 100 pessoas.

No dia todos conheceram um modelo de distribuição de água para os piquetes bombeado através da energia fotovoltaica. Segundo o engenheiro-agrônomo Emanuel Ramos Viquetti Emanuel, o modelo apresentado, composto por uma bomba de 12v e um painel solar de 90watts, possibilita a sucção de água na profundidade de 3,5m e recalque de até 30m de altura, com vazão média de 600l/hora a um custo aproximado de R$ 1,4 mil. “A utilização de energia solar pode ser aplicada agravatal todos os segmentos que utilizam energia elétrica. Atualmente apresenta-se como uma tecnologia cada vez mais viável para as propriedades rurais, principalmente em locais com dificuldades de acesso a redes elétricas”, explica Emanuel.

O bem-estar animal foi outro assunto abordado, onde o engenheiro-agrônomo Tovar Raul Werlang falou da importância em se atender as condições de bem-estar para que o animal possa expressar seu máximo potencial produtivo . Já a extensionista social Jandira Schueroff trouxe informações sobre a importância da água em oferta e qualidade para os animais, apresentando dados relacionados à ganhos de produção.

O agricultor anfitrião Sérgio Bez da Silva, juntamente com o médico-veterinário Marcelo Tubino Bortolan, apresentaram os dados de ganho de peso dos animais engordados exclusivamente a pasto no período de  um ano.  Segundo Bortolan, os resultados obtidos são promissores e gravatal2positivos para a bovinocultura de corte da região, onde alguns animais apresentaram um ganho de peso diário de 1,5kg, e a média geral do rebanho ficou em 900g/dia.

Os engenheiros-agrônomos Emanuel e Iran Henrique Rodrigues apresentaram os resultados de um ano de acompanhamento de coleta e mensuração da pastagem, pontuando a curva de crescimento do pasto, disponibilidade de oferta da forrageira ao longo do ano e produção de matéria seca por hectare. Rodrigues relata que o pasto predominante na área de avaliação é o Capim Tifton 85, onde o produtor seguiu as orientações de adubação e correção do solo de acordo com a análise realizada, apresentando uma produção de 24ton de matéria seca/hectare, com potencial de atingir 30ton/ha, em anos com maior regularidade de chuvas ou utilização de sistemas de irrigação.

Emanuel reforça que além dos cuidados com o solo, um fator essencial para o sucesso da produção de animais à base de pasto é o manejo da pastagem. Ele falou sobre os momentos ideais de pastejo para cada tipo de forrageira, relacionados a maior qualidade nutricional da planta, bem como o ponto ideal de retirada dos animais para que a pastagem se restabeleça novamente, criando estruturas que favoreçam a processo de pastejo em altas taxas de consumo.